Por Suellen Bosse, 11 de janeiro de 2022
Tempo de leitura: 8 minutos

Planejamento escolar para 2022: como elaborar um planejamento estratégico?

Para ter uma gestão de escolas com eficiência e os melhores resultados em 2021, você precisa de um planejamento escolar estratégico. Saiba como fazer:

Planejamento escolar estratégico para 2021? | Sponte

O início do ano letivo é, tradicionalmente, o momento de preparar um planejamento escolar estratégico para guiar a gestão pedagógica. É a hora em que os gestores de escolas reúnem suas equipes e avaliam desafios, possibilidades e os caminhos que vão seguir durante os próximos meses.

Esse momento costuma ser uma grande responsabilidade para a gestão escolar. Afinal, é o planejamento escolar que vai definir o acompanhamento pedagógico do ano letivo.

Durante o planejamento, a equipe pode repensar a organização e os objetivos da escola, dar um rumo para a gestão pedagógica e prepará-la para os desafios que podem chegar. 

A responsabilidade de buscar esse rumo é ainda maior em 2022. Depois das dificuldades de dois anos de pandemia e tantas incertezas, como possíveis novas variantes do vírus, estamos em um contexto instável, repleto de dúvidas e novos desafios.

Nesse sentido, o planejamento é indispensável para reduzir erros, superar as dificuldades e preparar a escola para as transformações que virão em 2022. 

Além disso, ele também é uma forma de garantir que toda a comunidade escolar esteja alinhada, buscando os mesmos objetivos e assumindo suas responsabilidades.

Continue sua leitura e veja:

Uma retrospectiva de 2021 e o futuro da educação em 2022
Deliberações oficiais sobre a volta às aulas em 2022
O que precisa constar no planejamento escolar
Como preparar o planejamento pedagógico para o pós-pandemia

Uma retrospectiva de 2021 e o futuro da educação em 2022

Para pensar em um planejamento para 2022, o primeiro passo é entender bem o contexto em que nos encontramos e que tipos de desafios essa realidade vai criar para a gestão pedagógica.

2021 foi um ano de irregularidades na gestão de escolas. As expectativas para o ano foram abaladas com a continuidade da pandemia, as formas de lecionar foram as mais variadas, no entanto, a tecnologia foi uma grande aliada.

A volta às aulas no formato híbrido e a adaptação a um novo mundo foram os grandes desafios das escolas e de toda a comunidade escolar durante o ano de 2021, afinal, mudar nunca é uma tarefa fácil. 

Por isso, o ano foi extremamente desgastante para a gestão escolar, professores, alunos, pais e responsáveis. Todos tiveram uma grande dificuldade em adaptar-se e manter-se seguros e ativos na sociedade. 

Além disso, houve um grande número de evasão escolar nesse período. Muitos alunos desistiram das aulas devido ao aumento de casos na pandemia e pela situação financeira prejudicada por esse evento traumático.

Contudo, com o desenvolvimento das vacinas e as taxas de imunização cada vez mais altas entre os brasileiros, uma nova perspectiva passa a existir para as escolas em 2022.

O retorno às aulas totalmente presenciais está acontecendo, mas a incerteza com o surgimento de novas variantes pode ser um problema para conquistar novas matrículas, causando um desgaste na rede privada.

Leia mais: Volta às aulas presenciais: como sua gestão escolar pode lidar com o medo da covid-19?

A gestão escolar está sendo desafiadora neste momento, os problemas se tornaram mais profundos e os gestores precisam se adaptar. 

Nessa mesma linha, os professores também estão profundamente desgastados por terem passado por um processo abrupto de adaptação a um novo ritmo de trabalho, novas metodologias e a necessidade de lecionar com o auxílio de novas plataformas de tecnologia. 

Por outro lado, além das dificuldades, essa transformação também trouxe oportunidades. Depois de uma adaptação “à força”, agora, alunos e professores possuem experiências com as aulas online e isso permite uma mudança no paradigma do ensino.

Leia mais: Metaverso e seu impacto na Transformação Digital na Educação

Então, levando em conta as diretrizes e orientações de órgãos oficiais para a gestão escolar, vamos entender o que pode ser feito em 2022:

Deliberações oficiais sobre a volta às aulas em 2022

Com as incertezas de uma nova variante, ainda não podemos prever como será o ano letivo de 2022. Contudo, é preciso considerar o que dizem a lei e as orientações de órgãos públicos.

A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) define que o calendário escolar deve se adequar às peculiaridades locais. Isso significa que sua escola pode buscar mudanças para enfrentar novas dificuldades, no entanto, não pode reduzir o número de aulas previstas pela LDB.

O CNE ainda recomenda a adaptação das escolas à BNCC, principalmente com atenção ao acolhimento socioemocional dos alunos que estão abalados pelos meses de pandemia.

Leia mais: O planejamento pedagógico e sua influência nas escolas

Além disso, o conselho pede que as escolas deem atenção especial à recuperação da aprendizagem dos alunos e também incentive novos métodos educacionais para os próximos anos. 

2022 também é o ano em que o Novo Ensino Médio será implementado no país. Por isso, os novos itinerários formativos são bem importantes para desenvolver um planejamento estratégico adequado.

Os Itinerários Formativos, a grande novidade do Novo Ensino Médio, levam em conta o histórico do aluno e o ajudam a definir uma carreira com mais exatidão. Segundo o que diz a reforma, as escolas precisam oferecer pelo menos dois desses itinerários por área de conhecimento e/ou formação técnica e profissional.

Ainda no que diz respeito a essa nova estrutura de ensino, ela está dividida em quatro eixos diferentes, para que as habilidades gerais e específicas sejam desenvolvidas simultaneamente, são elas:

  • Investigação Científica: incentivar os estudantes a desenvolver o pensar e fazer científico. Dessa forma, podem fazer contribuições para a melhoria da comunidade.
  • Processos Criativos: desenvolver trabalhos no campo criativo com base na linguística, artes, cultura e ciência. Para que essas áreas se desenvolvam e criem oportunidades.
  • Mediação e intervenção Cultural: promover a oportunidade para desenvolver projetos de intervenção sociocultural. Pois, assim, a comunidade terá mais acesso a educação e cultura.
  • Empreendedorismo: estimular o caminho individual dos estudantes, para que desenvolvam personalidade e noção de trabalho. O empreendedorismo ajuda a enfrentar desafios do mundo do trabalho.

Estas quatro gamas de conteúdo, criatividade, desenvolvimento e empreendedorismo são o que vão gerir o ensino médio daqui para frente. Por isso, sua escola precisa colocar essas mudanças em práticas no planejamento estratégico. 

Nesse sentido, 2022 também pede metodologias ativas que instiguem o aluno, que está cada vez mais ligado à tecnologia. Por isso, o ensino interativo é uma grande necessidade para 2022 e leva junto dele ótimas opções para atingir estes objetivos:

  • Alfabetização digital: apesar de ser uma geração conectada, algumas crianças não tiveram a oportunidade de ter esse contato ainda. Então, é dever da escola fazer esse intermédio, como por exemplo, ensinando a acessar o Google.
  • Letramento digital: diferente da alfabetização, com esse método você ensina as crianças como usar a internet e os meios digitais da melhor forma. Técnicas de leitura em telas digitais, formas de pesquisar online, interação com conteúdos disponibilizados digitalmente etc.
  • Gamificação: os videogames são grandes aliados na hora de desenvolver o sistema motor. Hoje em dia, eles são vistos com bons olhos pelos professores, pois proporcionam interesse, entusiasmo e novas formas de aprendizado.
  • Aprendizagem imersiva: uma geração que nasceu na era digital precisa se manter ocupada o tempo todo e a imersão na realidade virtual é uma tendência nesse sentido. 
  • Inteligência artificial: muito do que consumimos está lotado de IA, é só olhar para os celulares e seu sistema de ajuda interativo. Os assistentes virtuais já começam a ter uma nova perspectiva nas escolas e com certeza terão um impacto grande no ensino daqui para frente.  

Leia mais: Conheça as tendências de 2022 para a educação que sua gestão escolar deve ficar atenta!

Por isso 2022 vai ser um ano chave no processo de reintegração do aluno ao sistema escolar e a novos métodos de ensino que harmonizam muito bem com a tecnologia e a velocidade do mundo atual. 

Tudo isso precisa ser levado em conta na hora de montar essa estratégia. Com isso em mente, vamos analisar a estrutura de um planejamento escolar estratégico:

O que precisa constar no planejamento escolar

Há 5 elementos essenciais que precisam fazer parte do seu planejamento escolar. Cada um deles deve ser pensado com cuidado, envolvendo toda a comunidade e considerando o contexto em que estamos inseridos:

  • Calendário pedagógico

Com a implementação do Novo Ensino Médio, algumas mudanças irão acontecer a partir deste ano, mas tem até 2024 para serem atribuídas completamente. A carga horária definida pela LDB, de no mínimo 800 horas, agora passará a ter 1000 horas anuais obrigatórias.

Pensando nisso, sua escola precisa realizar as adaptações no calendário em 2022, para garantir que todas as exigências de horas estejam adaptadas e colocadas no novo calendário pedagógico.

Quanto ao ensino fundamental, nenhuma mudança de carga horária foi prevista em lei, apenas as adaptações necessárias devido a pandemia. 

  • Currículo escolar

O planejamento deve considerar também o currículo escolar, que é o grande norteador de todos os processos pedagógicos. Essa definição precisa ser prévia, para facilitar a organização dos conteúdos dos professores e permitir um trabalho alinhado de toda a comunidade escolar.

Para 2022, a deliberação do currículo deve levar em conta os desafios postos pela pandemia. Aliado a isso também será feita a retomada total do ensino integral, que ainda não foi implementada em alguns lugares do país.

  • Quadro de horários

A partir do currículo escolar, sua escola deve determinar também o quadro de horários de cada turma. Isso também permite a organização da rotina dos professores e até das salas de aula, para ter uma gestão mais eficiente nos tipos de ensino regentes em sua escola.

Leia mais: 6 dicas para o planejamento do horário escolar

  • Metodologias de ensino e de avaliação

A pandemia e as aulas online foram uma séria lição tanto para professores quanto para alunos. No entanto, mesmo antes do coronavírus, já podíamos notar que as metodologias tradicionais de ensino, com o professor como único e exclusivo detentor do conhecimento, não são mais adequadas às novas gerações.

Hoje, é preciso repensar tanto as metodologias de ensino quanto as formas de avaliação. Para isso, confira em nosso blog:

Leia mais: Transformações metodológicas e o que pode ser feito pela gestão escolar para manter os alunos engajados

  • Projetos e programas a serem executados

Por fim, seu planejamento também precisa levar em conta quais programas ou projetos sua escola vai ofertar para os alunos. No entanto, essa previsão deve ser flexível, já que o período ainda é de instabilidade, por mais que as perspectivas sejam boas. 

Leia mais: Como o seu método de avaliação pode ajudar na retenção de alunos?

Como preparar o planejamento pedagógico para o pós-pandemia

Para que seu planejamento de um novo ano letivo tenha todos esses elementos e seja composto de forma completa e eficiente, é interessante seguir alguns passos:

  1. Reunir a equipe de gestão pedagógica e, em determinados momentos, a comunidade escolar, para que o processo de definição do planejamento seja coletivo;
  2. Analisar os resultados de 2021, trocando experiências, avaliando quais foram as principais dificuldades e estudando formas de superá-las;
  3. Revisar o Projeto Político Pedagógico (PPP) da sua escola;
  4. Delimitar metas para o trabalho da sua escola, para que toda a equipe tenha foco no crescimento durante o ano;
  5. Realizar o planejamento curricular geral da escola, com a deliberação dos conteúdos a serem lecionados, de acordo com a BNCC e a nova estrutura do ensino médio;
  6. Orientações para a construção de planos de aula dos professores;
  7. Planejamento de programas de formação continuada para os professores, considerando que possa ser necessário fazê-los a distância;
  8. Definição de um horário escolar bem estruturado, incluindo aulas, avaliações, reuniões e projetos;
  9. Distribuição das turmas e materiais, e organização de salas de acordo com as novas diretrizes para o ensino integral presencial;
  10. Avaliar se há outras pautas que sejam importantes para a sua gestão escolar.
  • Passo extra: Manter uma revisão constante do planejamento para sua escola se adaptar às transformações e desafios de 2022.

Além disso, também é importante contar com a tecnologia, para que sua escola consiga se manter fiel ao planejamento escolar e mantenha o financeiro sempre positivo.

Para isso, busque um sistema de gestão escolar como o Sponte, que oferece recursos para reduzir até 166 horas mensais de trabalho do seu time administrativo.

Com isso, sobra tempo para focar em uma gestão escolar eficiente e focada em seguir o planejamento escolar para ter os melhores resultados.

Descubra como a valorização do professor é a melhor maneira de caminhar para um futuro melhor na educação com a nossa palestra:  

compartilhe:

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Gerente de Marketing

2 respostas

  1. amei, o material é precioso com informações necessárias pois estamos sempre nos adaptando a algo novo, não só os alunos mas também os profissionais da educação, é isso ai, rumo ao grande objetivo: “de ser um país com educação de qualidade.”

    1. Olá, Francisca!

      Que bom, ficamos felizes com o seu feedback.
      Acompanhe nosso blog para ficar por dentro dos nossos conteúdos.

      Um abraço,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.