Dicas para montar seu contrato de matrículas

Por Sponte em 10 de maio de 2017.

Captar uma quantidade alta de alunos é excelente para qualquer tipo de escola ou instituição de ensino, no entanto esse acorde de prestação de serviços precisa ser regido por um contrato. Isso porque, ele será o responsável por oferecer garantias e seguranças para ambas as partes.

O que a Sponte vem percebendo é que muitos locais utilizam um contrato mal elaborado, cheio de falhas e até mesmo abusivo, não passando confiança ou melhor, não oferecendo conforto para que os alunos possam estudar com tranquilidade.

Sabemos que elaborar um contrato de matrículas não é tão simples, afinal, por vezes, diversos profissionais trabalham nele para garantir que todas as cláusulas tenham um encaixe perfeito. Senão, você pode sair mais prejudicado do que imagina.

A Sponte acredita que um contrato deve garantir e preservar os direitos de ambos os lados, então achamos bacana das algumas dicas para montar seu contrato de matrículas!

Dessa forma, você vai conseguir montar algo mais simples e objetivo, mas que não deixe de atender as necessidades que você precisa e muito menos os seus alunos, tudo bem?

Sabemos muito bem que o processo de matrículas é fundamental para manter a saúde financeira do seu negócio em dia, no entanto se esse laço não for firmado com a clareza necessária, ele pode ocasionar problemas maiores.

Vamos começar!

Dica 1 – Os contratos já devem estar prontos no período de matrículas

Parece até mentira o que vamos dizer, mas já vimos casos de instituições de ensino que deixavam para elaborar ou atualizar seus contratos bem na época de renovação ou de aceite de novos alunos. Esse é um dos maiores erros que você pode cometer, pois acabará não tendo tempo hábil para validar todos e isso, poderá te ocasionar um grande problema.

Lembre-se que o contrato sempre será o principal documento de formalização entre os serviços prestados e os pais dos alunos, então certo de que tudo está em conformidade com a lei, se os valores, as datas, os prazos e qualquer outra informação está devidamente atualizada.

Você pode ter um documento já pronto, sendo usado por muitos anos e querer sempre usar o mesmo. Será que tem algum problema?

Na verdade, se ele estiver tudo ok e você nunca teve qualquer problema com a sua utilização, só peça para que seu setor jurídico de uma conferida para ver se não ouve qualquer alteração e tudo certo. No entanto, se você teve algum questionamento, esse é o momento ideal para fazer a alteração necessária e com isso, garantir que sempre estará mais protegido!

Para que tudo seja feito com mais eficiência, anote cada detalhe, cada questionamento e até mesmo as dúvidas de pais e alunos com relação ao que está descrito no contrato, pois isso te dará uma visão melhor do que precisa ficar mais claro.

Dica 2 – Deixe bem claro os valores

Não tem como querer levar uma instituição de ensino, todos os anos com o mesmo valor. Por mais que você não queira, é preciso aplicar um reajuste para que você consiga sanar suas obrigações legais. Certamente, tudo encarece para você: contas fixas, salários de professores, de funcionários e até mesmo os materiais que são fornecidos aos alunos durante as aulas. Se você não repassa esse valor, pode quebrar!

No entanto, não queira aplicar um reajuste no escuro. Tenha uma prestação de contas em mãos para mostrar aos pais os motivos do valor subir. E mais, leve sempre em consideração a quantidade de alunos que a escola tem, os novos que entraram e ainda, qual o lucro que deseja gerar.

Você já deve saber muito bem que a quantidade de bolsa de estudos que oferece acaba encarecendo o valor das mensalidades dos alunos pagantes, afinal são eles que acabam arcando com esses valores. Então, faça os cálculos de uma forma que ninguém saia do prejuízo e todos tenham a possibilidade de estudar em um ambiente bacana.

Por ser uma questão financeira, você precisa fazer esses cálculos com muita atenção, afinal você nunca terá o valor exato, sempre serão projeções.

Acha que acabou? Todos esses cálculos precisam estar de acordo com a lei e com o que o MEC sugere, além disso, os pais precisam ter condições especiais de pagamento, como por exemplo, o parcelamento da matrícula durante as mensalidades.

Só não se esqueça de estar com esses cálculos planejados para não dar nenhuma perda no seu fluxo de caixa.

Dica 3 – Trabalhe datas com condições especiais para assinatura do contrato

Todos os pais sabem muito bem quais são os períodos de rematrícula de uma escola. Por mais que não tenham exatidão na data, eles sabem que anualmente esse vínculo precisa ser renovado e com isso, estão cientes de um reajuste.

Porém, você pode promover eventos que facilitem essa assinatura de contrato. Isso porque, por mais que os pais adorem o ensino e o tratamento dado aos seus filhos, eles sempre irão visualizar o custo benefícios, comparado com outras instituições.

Ou você não sabe que no fim e no começo de cada ano, o número de pais querendo conhecer a escola aumenta muito?

Então, promova eventos que atraiam esses pais a fechar a matrícula, por exemplo, um concurso de bolsa de estudos que ofereça descontos bacanas para matrículas até tal dia. Ou então, um número X de alunos por sala, limitando o número de vagas e a antecipação da renovação.

Muitas escolas ainda oferecem matrícula grátis para alunos que renovam seu contratos ainda em novembro/dezembro, incentivando assim a retenção dos que já estão na instituição.

Quem vai escolher a melhor estratégia é você, então foque!

Precisando de ajuda? Conte com a Sponte!

Sponte /