Por Cristopher Morais, 26 de abril de 2021

Como se adequar à BNCC em 2021?

Em 2021, a educação básica precisa lidar com aulas online, educação a distância e ensino híbrido. Saiba como se adaptar à BNCC dentro dessas possibilidades.

Como se adequar à BNCC em 2021?

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) é uma proposta do Ministério da Educação para orientar as etapas da educação básica nas escolas particulares e públicas do Brasil. E agora, em 2021, essa organização precisa ser repensada.

Como uma referência obrigatória para a elaboração dos currículos escolares, a BNCC sugere mudanças e propostas para todos os níveis da educação básica, concedendo, é claro, certa flexibilidade às instituições de ensino para que tenham um planejamento pedagógico coerente com suas realidades regionais.

A reorganização que a BNCC exige tem impacto em diferentes escalas dentro das instituições de ensino. 

Quando 2020 começou, a maioria das escolas já estava em pleno processo de implementação da nova Base Curricular. 

No entanto, devido à pandemia de covid-19, tornou-se necessário repensar muitos processos, a fim de que a escola conseguisse cumprir o ano letivo.

Por isso, neste ano, muitos profissionais da educação se questionam como dar continuidade à adequação à BNCC em um cenário tão instável, especialmente com as possibilidades do ensino remoto e as dificuldades da pandemia.

Continue acompanhando este artigo para saber como adequar sua escola à BNCC em 2021.

Quais são os objetivos da Base Nacional Comum Curricular?
Quais são os desafios de 2021 para as instituições de ensino básico?
Como as instituições de ensino podem se adaptar à BNCC no cenário de 2021?

Quais são os objetivos da Base Nacional Comum Curricular?

Quais são os objetivos da Base Nacional Comum Curricular?

Em 2020, as escolas mudaram completamente sua rotina, fecharam as salas de aulas presenciais e voltaram-se para as aulas online por necessidade de cumprir o isolamento social para evitar o aumento das contaminações pelo coronavírus.

Usar a tecnologia para o ensino passou a ser obrigatório. De fato, essa metodologia já era, até certo ponto, prevista nos objetivos da BNCC. 

No entanto, o contexto geral em que as escolas brasileiras se encontram acelerou muito esse processo, obrigando os educadores a buscarem mais formação para atuarem na frente digital da educação. Isso também fez com que os alunos e suas famílias se adaptassem a essa nova realidade que é estudar em casa.

Foi essencial, então, adaptar a BNCC às aulas online. Mas a essência de suas orientações e diretrizes continuou a mesma.

De modo geral, as diretrizes da Base Nacional Comum Curricular buscam propor uma forma de ensino considerada mais justa, contemplando as competências básicas do currículo escolar, bem como habilidades cognitivas e socioemocionais, prezando pelo desenvolvimento físico, social e cultural dos alunos.

Com essa meta de oferecer uma formação humana integral às crianças e jovens, as 10 competências gerais da BNCC são:

  • Conhecimento
  • Pensamento científico, crítico e criativo
  • Repertório cultural
  • Comunicação
  • Cultura digital
  • Trabalho e projeto de vida
  • Argumentação
  • Autoconhecimento e autocuidado
  • Empatia e cooperação
  • Responsabilidade e cidadania

Além das competências gerais, existem também as competências específicas, que são responsáveis por conectar as áreas do conhecimento de forma interdisciplinar e ligar todos os conteúdos de forma vertical, configurando a progressão entre as etapas de ensino infantil, seguido pelo fundamental e terminando no ensino médio.

Quais são os desafios de 2021 para as instituições de ensino básico?

Conseguimos chegar ao final de um ano difícil, mas muitos dos desafios continuam presentes em 2021. 

Em 2020, com todas as reviravoltas e dificuldades que apareceram no caminho, foi necessário dar conta de problemas urgentes que poderiam comprometer a atividade escolar. A implementação repentina do ensino a distância foi um deles, por exemplo.

Agora, em 2021, com as escolas, professores e alunos mais preparados para essa realidade digital e para as possibilidades do ensino híbrido, muitos gestores estão voltando a dirigir sua atenção para a BNCC.

No entanto, o que antes já demandava um certo esforço por parte da escola, agora tornou-se ainda mais complexo. Afinal, como se adequar à BNCC tendo em vista um cenário tão instável quanto o que o Brasil está passando neste momento?

O primeiro ponto levantado por boa parte dos professores é que o conteúdo foi muito prejudicado com as aulas a distância. A reclamação geral é que não foi possível ministrar todo o conteúdo previsto dentro das horas disponíveis no calendário. 

Ou seja, em 2021, os professores iniciaram o ano com a preocupação de finalizar o que não foi possível em 2020, sendo que isso não deve atrasar o conteúdo das turmas neste novo ano letivo.

Além de precisar “correr atrás do prejuízo”, os professores precisam, ainda, preparar suas aulas tendo em mente a alternância entre presencial e online, dentro de uma estratégia de ensino híbrido.

Também é essencial pensar nos cuidados com a segurança quando há aulas presenciais.

Tudo isso ainda precisa contemplar as diretrizes da BNCC. Eis então um dos principais desafios dos professores e gestores para 2021: conquistar essa adaptação curricular recomendada pelo Ministério da Educação enquanto precisam lidar com os desafios e dificuldades deste período de pandemia.

Como as instituições de ensino podem se adaptar à BNCC no cenário de 2021?

Como as instituições de ensino podem se adaptar à BNCC no cenário de 2021?

De fato, pode ser um grande desafio adaptar a BNCC neste momento desafiador para tantas escolas. Contudo, essa também é uma grande oportunidade para criar uma gestão escolar preparada para o futuro.

Com professores e alunos mais acostumados com o mundo digital, é possível buscar a criação de uma educação atualizada e pronta para as novidades do mercado de trabalho e da sociedade cada vez mais conectada.

No entanto, para isso, é preciso conhecer os desafios e possibilidades deste momento.

Como já comentamos neste artigo, 2020 deixou como resultado lacunas de aprendizado sentidas por alunos e professores. Espaços que em 2021 precisam ser preenchidos durante as aulas. E essa é uma tarefa que levanta uma série de dúvidas para os educadores.

“Como ter tempo para dar conta de tudo?” é a primeira delas. Felizmente, o Conselho Nacional de Educação homologou uma medida que permite uma espécie de mescla entre os conteúdos previstos para 2020 e 2021, em um estudo unificado

Isso flexibiliza o calendário pedagógico, facilitando muito o trabalho dos professores no que diz respeito ao planejamento.

Considerando isso, a adaptação do ensino ao modelo proposto pela BNCC, levando em conta o cenário de 2021, baseia-se em boas práticas escolares e um excelente planejamento de aulas

Para tanto, existem alguns pormenores que precisam ser levados em conta nesse processo.

É fundamental que os professores planejem suas aulas de forma que elas atendam às especificidades tanto do ensino presencial quanto de um possível ensino remoto, caso haja a necessidade se fazer essa transição. 

É essencial, também, que as escolas contemplem a tecnologia em suas aulas neste momento. Isto é, façam uso de ferramentas digitais como suas aliadas no processo de ensino. 

O motivo disso se divide em duas razões importantes: 

  1. O ensino da cultura digital é uma das competências previstas na BNCC. Logo, é essencial para cumprir a adequação.
  2. Ao usar as ferramentas digitais, fica mais fácil montar uma aula adequada para o ensino a distância. Melhor ainda se forem ferramentas que os alunos conseguem acessar de casa. 

Dessa forma, o ensino híbrido se estabelece de forma mais sólida e ainda abre uma gama de possibilidades para os educadores conduzirem seus conteúdos.

Junto a essa prática, também é ideal contar um material didático já adaptado à BNCC. Caso contrário, o professor terá que adaptar seus conteúdos, o que dá mais trabalho aos educadores e atrapalha o fluxo da aula.

Além disso, a comunicação com pais e responsáveis será ainda mais importante em 2021. Sobretudo nas escolas particulares, a família deve possuir uma voz ativa dentro da gestão escolar e pedagógica, para ajudar a cumprir os objetivos da BNCC de forma integrada, unindo a casa e a escola.

Afinal, hoje, as aulas estão acontecendo dentro desses dois espaços, especialmente com a metodologia de ensino híbrido. Com a intenção de dar autonomia ao aluno, o professor assume o papel de orientador e o apoio da família é crucial para garantir o sucesso desse método de aprendizagem.

Além disso, é importante levar em conta que a BNCC preza pelo desenvolvimento de um pensamento científico, crítico e criativo. E agora, com o ensino híbrido, é possível buscar metodologias ativas que integrem o mundo digital para conquistar essa meta.

Mas, para conseguir colocar em prática tudo isso, é indispensável conhecer as exigências da BNCC. Por isso, nós preparamos um eBook que aborda essas questões a fim ajudar sua instituição de ensino. Confira:

Vantagens do Sistema Sponte para produtividade na gestão escolar

compartilhe:

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on google
Gerente de Produto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *