Por Mateus Saldanha, 29 de abril de 2021

Quais são as habilidades que os professores da Educação 4.0 precisam ter

Os professores precisam desenvolver certas habilidades para aplicar a Educação 4.0 em sala de aula, ajudando a criar escolas do futuro.

Habilidades dos professores na Educação 4.0

A forma de ensinar nas escolas mudou, se tornou mais digital e já começou a entrar no que chamamos de Educação 4.0. E os professores precisam ter as habilidades certas para lidar com isso. 

Essa mudança não aconteceu somente pelos desafios da covid-19. A pandemia só deixou esse assunto mais explícito, intensificou discussões que já estavam acontecendo entre educadores há anos e acelerou o processo de digitalização da educação.

Contudo, o ensino já vinha se transformando com a introdução de metodologias ativas que estimulavam o uso da tecnologia em sala de aula como ferramenta para a aquisição de conhecimento.

Afinal, a Educação 4.0 chegou! Continue sua leitura e entenda quais são as principais habilidades que os professores precisam ter para preparar seus alunos para o mercado de trabalho dos próximos anos e para serem cidadãos conscientes na nova sociedade digital.

A Educação 4.0 e seus impactos nas instituições de ensino

A Educação 4.0 já começou a marcar presença nas escolas brasileiras. Essa reformulação do ensino é resultado das mudanças na sociedade causadas pela Indústria 4.0, isto é: a implementação cada vez maior da tecnologia, automação, inteligência artificial e outras ferramentas digitais.

Sendo uma característica tão presente na sociedade contemporânea, a conectividade não poderia ficar fora da sala de aula, especialmente quando os estudantes fazem parte de uma geração tão íntima da cultura digital. 

Contudo, a internet é um mar de conteúdo que também tem seus riscos, desde a disseminação de informações falsas até a violência digital.

  • Saiba mais: Educação 4.0 online e segura!

Por isso, para que essas mudanças impactem positivamente no aprendizado dos estudantes, é preciso que os professores tenham as habilidades essenciais para conduzir da melhor maneira a Educação 4.0.

5 habilidades que os professores da Educação 4.0 precisam ter

habilidades que os professores da Educação 4.0 precisam ter

Todas as mudanças da sociedade se refletem nas escolas e precisam ser aplicadas na prática pedagógica, para que os professores possam atender às necessidades dessa nova geração de alunos.

A seguir, confira as habilidades que fazem parte dos professores da Educação 4.0.

1. Ter amplo conhecimento de ferramentas digitais

Os estudantes já são ávidos usuários da tecnologia, mas é fundamental que eles tenham um professor que os ajudem a entender como buscar novos conhecimentos e informações em meio a tantos recursos que estão disponíveis.

Com o aumento do uso de tecnologia em sala de aula, que está presente desde a alfabetização, é preciso que o professor domine o trabalho com essas ferramentas e transmita a seus alunos o conhecimento que adquiriu ao longo de sua carreira.

Muitos professores possuem uma formação pautada em métodos tradicionais de ensino, com pouca inovação tecnológica. Portanto, é normal que se sintam perdidos quando o assunto é introduzir novas ferramentas no processo de aprendizado. 

Isso reforça a importância de a escola investir em formação continuada para o corpo docente, preparando-o para que possa se adequar à Educação 4.0.

2. Ser um mediador de novos conhecimentos

A escola, apesar de muito importante para a formação de todos, durante muito tempo foi estigmatizada como um lugar monótono, que reforça o ensino de conhecimentos descontextualizados e centraliza a figura do professor como autoridade absoluta. Porém, isso cria três grandes problemas.

Em primeiro lugar, esse ensino tradicional desmotiva seus alunos e faz com que eles vejam os conteúdos como “inúteis” para sua vida prática. Isso dificulta o aprendizado e a fixação do conhecimento, favorecendo a famosa “decoreba” puramente para ser aprovado para o próximo ano letivo, sem se dar ao trabalho de realmente aprender e usar esse conhecimento em prol da sociedade.

Em segundo lugar, isso incentiva um comportamento passivo nos alunos. Ou seja, ao se formar, o jovem não terá desenvolvido o senso crítico para buscar, averiguar e, inclusive, criar novos conhecimentos, tornando-se, então, um mero receptor. Essa postura é altamente nociva ao desenvolvimento científico, social e tecnológico.

Por último, colocar o professor como detentor do conhecimento o desumaniza. É óbvio que ele possui mais conhecimento do que os alunos, mas ele ainda é um ser humano em processo constante de crescimento, aprendizado e aprimoramento, como todos os outros.

Nas metodologias e estratégias de aprendizagem ativas, tão íntimas da Educação 4.0, os professores já não são mais as pessoas que detêm todos os conhecimentos ensinados em sala de aula. Atualmente, eles estão assumindo a posição de mediadores e orientadores entre os estudantes e as novas maneiras de aprender.

Sendo assim, os professores participam da construção coletiva de conhecimentos junto com seus alunos e promovem a solução de problemas com base no trabalho em equipe, comunicação efetiva e bom convívio entre todos.

Isso estimula, inclusive, a criatividade e o pensamento crítico: elementos essenciais no desenvolvimento de seres humanos plenos.

3. Incentivar os alunos a terem atitudes empreendedoras

O empreendedorismo dentro das escolas também faz parte da Educação 4.0, já que essa reformulação do ensino possibilita que o aluno desenvolva suas habilidades com autonomia. Assim, ele terá mais interesse em aprender e descobrir novos assuntos.

Por isso, o professor precisa incentivar os seus alunos a terem atitudes empreendedoras, como aprender com os erros, buscar a inovação, ter disciplina e senso de responsabilidade, entre outras. 

Essas habilidades podem ser praticadas por meio de atividades e trabalhos aplicados em sala de aula e que tenham como objetivo a expansão das competências empreendedoras dos estudantes.

O resultado é a formação de alunos com olhar crítico sobre a sociedade, dispostos a pegar problemas e apresentar soluções consistentes, baseadas na lógica, ciência e tecnologia, sem deixar de lado as competências socioemocionais.

4. Estimular a curiosidade e a criatividade

Diversos especialistas e teóricos da educação afirmam que a curiosidade é uma característica própria da criança. 

O papel da escola, então, não deveria ser o de pôr obstáculos nessa curiosidade, mas sim o de aplicá-la como combustível para que os alunos aprendam e adquiram o conhecimento de forma contextualizada e aplicada.

O professor da Educação 4.0 precisa saber estimular a curiosidade e a criatividade em sala de aula, o que é uma maneira de motivar os estudantes a aprenderem com mais qualidade e dedicação. 

Essa prática auxilia a criança e o jovem a aumentarem sua capacidade de imaginação e resolução de problemas, além de tornar o ensino mais dinâmico e interessante.

5. Incentivar o desenvolvimento de habilidades socioemocionais

Mais do que nunca, as competências socioemocionais são essenciais. Em um mundo onde tudo ocorre de forma tão rápida e intensa, saber se conectar com suas emoções e com as emoções do outro, compreendendo-as e lidando com elas da forma adequada, é essencial para a construção de uma sociedade que seja justa, igualitária, respeitosa e plural.

Quanto mais cedo os alunos começarem a desenvolver suas habilidades socioemocionais – empatia, responsabilidade, sociabilidade e outras –, melhor será o seu crescimento como cidadão e como pessoa. 

Assim, o professor da Educação 4.0 precisa incentivar tal desenvolvimento em seus alunos a fim de que eles tenham uma formação completa.

Como a Educação 4.0 funciona na prática em sua escola particular?

Como a Educação 4.0 funciona na prática em sua escola particular

A implementação correta da Educação 4.0 envolve adaptações e mudanças nas práticas pedagógicas da instituição de ensino. Então, para começar a contar com essa metodologia educacional, você precisa avaliar os seguintes pontos: 

1. Preparação das aulas

A educação 4.0 é característica de uma sociedade super conectada, que exige conhecimentos específicos de seus cidadãos. 

Pensando em preparar melhor os alunos para o futuro, o corpo docente precisa basear suas aulas na ciência e na tecnologia, usando-as a seu favor. 

Na prática, isso significa aproximar o conteúdo visto em sala de aula ao cotidiano dos alunos, tornando-o mais aplicável no seu dia a dia.

2. Avaliação e planejamento

Do ponto de vista de gestão, tanto pedagógica quanto escolar, é preciso avaliar constantemente o cenário escolar. Desse modo, é possível corrigir eventuais falhas e aperfeiçoar o ensino. 

Com as informações em mãos, é importante, também, montar um planejamento pautado no que se espera da instituição no futuro e sempre se atualizar para atender as demandas dos alunos em cada etapa de sua formação.

3. Valorização da cibercultura

Os alunos estão completamente imersos na cultura digital, sendo assim, não faz sentido que as aulas continuem naquele modelo tradicional

A transição para um modelo pedagógico mais prático, que instigue os alunos a assumirem o protagonismo de seu aprendizado, é fundamental. E a internet é uma ótima ferramenta para isso.

Porém, essa mudança não acontece da noite para o dia. É preciso uma preparação para que a instituição de ensino possa oferecer plenamente uma Educação 4.0. 

Antes de mais nada, é essencial ter capacitações para os professores sobre as novas tecnologias utilizadas em sala de aula. É fundamental que o corpo docente saiba quais são as possibilidades de trabalho nesse mundo mais digital.

Além de preparar os professores, é preciso preparar a estrutura física da escola. Esse é um ponto crucial e que pode ser um obstáculo para muitos centros de ensino, pois investir na estrutura física e em equipamentos pode demandar uma verba que a instituição não possui no momento.

Por isso mesmo, reforça-se o tópico anterior de avaliar o cenário atual da escola e se planejar (financeiramente, inclusive) para, então, implementar novas tecnologias. Vale lembrar que as mudanças não precisam ser feitas todas de uma vez. 

Fazer tudo aos poucos é mais vantajoso para a instituição, pois permite um período de adaptação dos alunos e professores aos novos métodos.

4. Valorização da Gestão do Conhecimento

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) é um documento proposto pelo Ministério da Educação que direciona as escolas para um objetivo comum de desenvolver os alunos para a sociedade contemporânea. 

Ela possui uma grande afinidade com a Educação 4.0, pois trabalha baseada em 10 competências essenciais que os alunos devem desenvolver durante o período escolar. 

A Educação 4.0, então, traz as ferramentas que serão utilizadas nesse processo por meio das inovações tecnológicas da atualidade.

As competências intelectuais e socioemocionais são importantes para que o aluno consiga realizar uma gestão efetiva do conhecimento aprendido em sala. 

Assim, tudo o que foi visto durante as aulas não ficará apenas na escola, mas será levado e aplicado pelo aluno na sociedade, principalmente quando a criança se tornar adulto e assumir seu papel de cidadão.

As habilidades do professor e a gestão escolar para aplicar a Educação 4.0 

A Educação 4.0 já é uma realidade e tende a ser o futuro do ensino. Afinal, ela prepara os alunos para um mundo mais digital, tecnológico e conectado!

Por isso, seus professores precisam estar preparados para oferecer um conteúdo que esteja de acordo com essa realidade.

Mas isso não basta. Sua gestão também precisa se organizar! É essencial contar com ferramentas digitais e com um sistema de gestão escolar que dê eficiência, agilidade e tecnologia para toda sua instituição de ensino.

Pensando nisso tudo, preparamos um eBook completo que discute tudo que uma escola precisa saber sobre a Educação 4.0. Confira:

compartilhe:

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on google
Gerente de T.I

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *