Por Cristopher Morais, 21 de maio de 2021

Como a tecnologia pode auxiliar a escola no processo de alfabetização?

Quer saber como usar ferramentas tecnológicas no processo de alfabetização de crianças? Então, confira as nossas orientações.

Tecnologia aplicada na alfabetização em sua escola

As crianças das novas gerações estão sendo chamadas de nativos digitais por nascerem na Era da Informação e já dominarem os recursos básicos que fazem parte desse ambiente. Por isso, a tecnologia precisa integrar sua escola.

Não é mais viável separar a tecnologia dos processos de aprendizagem de seus alunos, principalmente nas turmas de alunos em idade de alfabetização. Pelo contrário: as inovações precisam fazer parte do dia a dia escolar dessas crianças.

Existem diversos recursos digitais que surgiram com o objetivo de auxiliar no processo de alfabetização na educação básica

Dessa forma, várias escolas já estão aplicando a tecnologia em suas salas de aula por meio de aplicativos de contação de histórias, pesquisas na internet, jogos que estimulam o raciocínio, entre outros, que auxiliam os alunos no aprendizado da leitura e da escrita.

Mas com tantos recursos disponíveis, os professores podem se sentir desnorteados sobre o assunto e até questionar sua eficácia, sobretudo se as formações desses docentes não se aprofundaram no uso de tecnologia para o ensino básico.

Por isso, continue a leitura para saber como as ferramentas digitais podem ser úteis nessa fase tão decisiva pedagogicamente e entenda como utilizá-las corretamente na alfabetização de crianças.

Quais são os benefícios da tecnologia para a alfabetização das crianças?

Disponibilizar ferramentas digitais para as crianças que estão aprendendo a ler e a escrever tem trazido importantes mudanças e benefícios no processo de alfabetização. 

As inovações estão ajudando as escolas a terem uma educação muito mais adequada às novas gerações, que já vivem no mundo digital. Assim, elas possibilitam uma melhor assimilação do conteúdo, melhoram a motivação dos estudantes e até começam a prepará-los para o mercado de trabalho do futuro.

Esses recursos são lúdicos e proporcionam uma experiência mais ampla para as crianças que estão aprendendo as palavras, seus sons e significados. 

Também, já é possível encontrar jogos digitais e aplicativos que foram desenvolvidos a fim de incluir crianças com deficiências.

Lidar com computadores, tablets e smartphones em sala de aula é, sem dúvida, um desafio compensador, pois as crianças estão familiarizadas com esses dispositivos em casa. Isso cria um vínculo com o mundo que eles já conhecem fora da escola.

Além disso, smartphones, tablets e todos esses dispositivos foram pensados para serem atrativos ao extremo tanto para crianças quanto para adultos. Assim, o uso desses dispositivos em sala de aula é capaz de manter os pequenos estudantes engajados por mais tempo, uma vez que eles já vêm com uma predisposição a dedicar sua concentração aos gadgets.

Contudo, utilizar a tecnologia na sala de aula e no processo de alfabetização é algo que precisa ter um bom planejamento pedagógico para que não seja apenas uma distração para as crianças. 

O corpo docente da escola deve elaborar um plano de aulas e atividades que apresente as ferramentas educativas da era digital. A escola também pode solicitar apoio por parte das famílias, de forma que os pais e responsáveis dos alunos os ajudem a explorar as ferramentas digitais e a aprender com os recursos disponíveis.

Vale sempre ressaltar que a tecnologia na educação como um todo e, principalmente, no processo de alfabetização, tem o papel de ser um suporte, uma ferramenta otimizadora, jamais uma substituta para a atuação dos educadores. 

O professor ainda possui uma atribuição fundamental como orientador. O docente precisa articular conteúdos e recursos tecnológicos constantemente, para garantir a compreensão dos pequenos durante as atividades.

Outro cuidado essencial para esse tipo de abordagem pedagógica é elencar os objetivos de cada atividade que utiliza a tecnologia. Ou seja, qual é o conhecimento que precisa ser adquirido ao longo das aulas com os conteúdos tratados?

O uso de tecnologias geralmente está inserido dentro de metodologias ativas de aprendizado, nas quais o aluno assume papel de protagonista de sua própria jornada educativa. 

Sendo assim, o professor também precisa incentivar a dinâmica “ação-reflexão-ação”, para que a tecnologia realmente ajude o aluno a desenvolver seu conhecimento. 

Caso contrário, o estudante pode até ganhar em todos os níveis do jogo, porém, sem ter fixado conteúdo algum, ou sem entender como o jogo se relaciona com o que ele está aprendendo na escola.

Por fim, também é papel do professor supervisionar os alunos, para evitar o acesso a conteúdos inapropriados ou que não se conectam com o propósito da aula. 

Como utilizar a tecnologia no processo de alfabetização?

Como utilizar a tecnologia no processo de alfabetização?

Em muitos casos, os jogos e aplicativos são vistos apenas como ferramentas para distrair as crianças. Porém, é possível encontrar opções que são verdadeiros recursos educativos, que são aliados dos professores em sala de aula. 

Confira as principais maneiras de fazer uso da tecnologia no processo de alfabetização:

1. Jogos digitais

Existem jogos que contam com várias fases, nas quais a criança só avança de nível ao acertar a escrita das palavras e/ou indicar corretamente o nome de algo que está sendo mostrado em uma imagem do jogo. 

É uma maneira de ensinar a criança a escrever seu próprio nome, além de entender a escrita de cores, objetos e animais por meio de uma atividade lúdica.

A plataforma Educaplay, por exemplo, permite que o professor crie seus próprios jogos educativos. Para a aplicação dessa atividade, basta ter computadores com acesso à internet. 

Uma ideia interessante de game com o objetivo de treinar a alfabetização são os jogos do ABC, nos quais a criança escreve palavras a partir de uma letra inicial, ou de imagens.

Apesar de a dinâmica ser simples, o fato de as crianças estarem em um computador, em um esquema de jogo, já é um estímulo para que se mantenham focadas e motivadas durante a atividade. Afinal, é quase como se a lição se transformasse em uma brincadeira.

Atividades com jogos digitais são sempre muito bem-vindas, inclusive no ensino a distância. O link pode ser compartilhado pelo professor e os alunos podem acessá-los de suas casas, compartilhando os resultados ao vivo durante a aula.

2. Aplicativos de contação de história

A contação de histórias já é uma atividade tradicional no processo de letramento, mas as novas ferramentas tecnológicas vieram para dar uma nova cara a essa atividade.

Com objetivo de exercitar a criatividade e o interesse do aluno, existem diversos aplicativos de contação de histórias disponíveis para que tanto criança quanto professor possam aproveitar o máximo possível desse momento.

Aplicativos como Crianceiras e Chatterpix Kids permitem que a criança, junto com a família ou com o professor, grave a sua própria voz lendo a narrativa. Há alguns aplicativos desse nicho que possibilitam, inclusive, que a criança complemente os fatos da história com o que desejar incluir, ou até crie uma história totalmente nova.

E para os momentos em que o professor queria fazer a contação de histórias, aplicativos como o Animal Sounds, entre outros, são muito úteis para sonorizar os contos e ajudar a aguçar a imaginação dos pequenos.

Tudo pode ser feito de forma fácil e prática por meio de smartphones, fazendo com que a contação de histórias não se prenda apenas à sala de aula. Assim, a turma pode explorar outros espaços da escola durante a atividade.

3. Pesquisas na internet

Pesquisas na internet

A pesquisa tem um papel importante para a formação dos alunos, pois é a partir dela que eles tomam as rédeas do seu próprio processo educacional. É a oportunidade de aprender com mais autonomia o conteúdo das disciplinas e até de ir além, sanando curiosidades que possam surgir.

A internet é, atualmente, a maior e mais completa fonte de pesquisa do mundo, podendo ser acessada com muita facilidade por alunos e professores. 

Sendo assim, o principal desafio aqui não é como introduzir essa ferramenta na rotina das aulas, mas sim como manter seu sentido sem que o aluno se perca. Afinal, com a quantidade exorbitante de informações disponíveis online, facilmente uma criança pode se desviar do objetivo da atividade.

Para ajudar o aluno a descobrir o universo digital, o professor pode pedir para que a turma realize uma busca na internet sobre um determinado assunto do conteúdo que está sendo trabalhado.

Nesse momento, também é válido fazer perguntas que incentivem as crianças a exercitarem o raciocínio e utilizarem melhor o potencial da internet como uma verdadeira ferramenta de pesquisa.

Isso, de certa forma, já conduz o aluno durante a tarefa, uma vez que ele precisa achar as informações nos lugares certos para responder às perguntas corretamente.

No entanto, a orientação do professor ainda faz toda a diferença para que eles consigam atingir os objetivos propostos pela atividade da melhor forma e conectem os conceitos da pesquisa com os conhecimentos adquiridos em outras aulas.

Além disso, a atividade de pesquisa guiada é fundamental para o processo de letramento digital, muito necessário para que a criança se torne um adulto ciente de como usar a tecnologia de forma responsável e benéfica. Isso se mostra relevante, principalmente durante as aulas remotas.

4. Livros digitais

A leitura é um exercício essencial no processo de alfabetização. Sabendo disso, os livros digitais estão se tornando cada vez mais populares por apresentarem mais interatividade com o leitor, com imagens e partes clicáveis nos textos, figuras animadas, possibilidade de emitir sons, entre outras formas de fazer com que a criança interaja mais com a história que está lendo.

Muito úteis, tanto para as aulas presenciais quanto para as aulas online, os livros digitais não requerem um equipamento específico. Basta contar com um computador, ou mesmo um smartphone, conectado à internet. Também por isso, sua distribuição entre os alunos se torna muito mais fácil.

No entanto, se o professor deseja tornar tudo ainda mais lúdico, é possível encontrar programas online que convertem qualquer arquivo no formato PDF em livros com efeito 3D, simulando como seria a disposição das páginas de um livro impresso até o virar de páginas ao clicar no mouse.

Há, ainda, exemplares que contam com figuras animadas que chamam a atenção das crianças.

De fato, os livros digitais também se enquadram no hall de ferramentas de fácil implementação, sendo muito versáteis para serem usados em diversas atividades na escola ou em casa.

A importância da tecnologia na gestão escolar

Para aplicar a tecnologia no dia a dia dos seus alunos, também é preciso contar com as inovações digitais dentro da sua escola! E isso não se resume a ter um laboratório de informática e uma lousa digital.

Uma gestão organizada de forma tecnológica e eficiente, capaz de abordar todos os fatores do dia a dia escolar também se faz necessária. 

Além disso, é fundamental contar com aplicativos para lançar notas, distribuir atividades e acompanhar o desempenho dos alunos, com uma comunicação direta com a família. E, para ter tudo isso, você precisa de um bom Software de Gestão Educacional.

Diante do que vimos até então, é nítido que sua gestão escolar precisa se modernizar completamente e se adaptar aos novos tempos. Por isso, preparamos um eBook completo para abordar o futuro da educação. Confira:

compartilhe:

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on google
Gerente de Produto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *