Por Cristopher Morais, 21 de janeiro de 2021

Planejamento estratégico para escolas de idiomas: como será o seu 2021?

Confira agora como ter um planejamento escolar estratégico para sua escola de idiomas estar pronta para o ano letivo de 2021.

Planejamento para escolas de idiomas em 2021 | Sponte

É natural que com o início de um novo ano letivo seja necessário que o gestor escolar revisite metas e objetivos da escola. É preciso construir um novo planejamento para dar conta de todos os desafios que o ano apresentará ao longo do caminho até dezembro.

Em 2021, contudo, os gestores possuem dúvidas mais profundas e preocupações maiores do que as que tiveram em anos anteriores. 

Afinal, 2020 foi um ano atípico, para dizer o mínimo. Com situações que provocaram transformações tão profundas na sociedade, a escola precisou se reinventar, se adaptar e buscar soluções criativas, enquanto esperava o momento de retomar seu funcionamento normal.

Mas com um cenário de tanta instabilidade, o que aguarda as escolas de idiomas em 2021? O que esperar e como desenvolver um planejamento pedagógico coerente e com ações práticas para atuar em um período de tantas mudanças? Continue lendo este post para saber!

O que 2020 nos deixou?
Quais as perspectivas para 2021?
Como construir um planejamento estratégico eficiente para 2021?
Dicas práticas para montar seu planejamento estratégico

O que 2020 nos deixou?

Como manter a disciplina dos alunos no EAD? | Sponte

Sem dúvidas o grande acontecimento de 2020 foi a disseminação do novo coronavírus, causador da COVID-19. Por causa dele, o contato entre as pessoas foi reduzido drasticamente. 

Diversos segmentos da economia, sobretudo do setor de serviços, enfrentaram problemas financeiros devido a uma baixa no consumo em geral.

Nessa realidade, as escolas tiveram de transformar sua metodologia de ensino, fechando seus espaços físicos e abrindo salas virtuais para ministrar aulas online. Além da adaptação dos estudantes e dos professores, esse novo sistema demandou muito apoio por parte das famílias dos alunos, principalmente daqueles que ainda são crianças.

Essa mudança rápida de cenário exigiu do gestor muito jogo de cintura para se adaptar rapidamente ao novo contexto, que se estendeu pelo resto do ano. 

Os professores, por sua vez, tiveram o importante papel de adaptar suas dinâmicas de aulas presenciais para o ensino à distância, o que demandou muita dedicação e aprendizado constante para dominar uma técnica de ensino ainda pouco utilizada no Brasil, se comparada aos modelos tradicionais.

Todo esse movimento acabou culminando num esgotamento geral por parte dos professores, das famílias e dos próprios alunos, sobretudo os que não se adaptaram bem ao sistema de aulas remotas. 

Muitos inclusive esperam ansiosamente a volta da normalidade do ensino presencial, mesmo que algumas escolas já tenham retomado algumas aulas de forma parcial. Ainda assim, há alunos que se mostraram favoráveis ao sistema online de ensino.

Isso aconteceu principalmente entre alunos em idade adulta. A grande maioria deles trabalha, o que reduz drasticamente seu horário disponível para as aulas, sem falar nos gastos de tempo e dinheiro relacionados ao deslocamento até a escola. Nesse ponto as aulas online acabaram sendo bem vistas por essa parte do público.

Quais as perspectivas para 2021?

Após todos os acontecimentos e mudanças do ano que se passou, os caminhos da educação para 2021 ainda parecem muito incertos. As próprias restrições relacionadas ao isolamento social são flutuantes, variando da situação de estado e município. 

Há variações entre diferentes secretarias estaduais de ensino e as escolas particulares, por sua vez, possuem autonomia para seguirem com seus próprios planos de retomada às aulas presenciais, desde que caibam dentro das resoluções dos órgãos estaduais e municipais.

Além disso, o Conselho Nacional de Educação (CNE) determinou que o ensino remoto pode continuar até o fim de 2021

O CNE também fez recomendações para a retomada, salientando a importância do uso de equipamentos de proteção, como máscaras para todos que frequentam o ambiente escolar, e face shield por parte de alguns funcionários. Além disso, também orientou sobre a manutenção dos espaços comuns.

Ainda assim, é necessário considerar a possibilidade da implementação do ensino híbrido, pelo menos no período de transição de volta ao presencial. Muitas escolas estão se abrindo a essa possibilidade das aulas se darem de forma mista entre presencial e online. Esse em especial é um ponto positivo para o segmento de idiomas.

Afinal, como vimos, as aulas online acabaram caindo no gosto dos alunos adultos, que muitas vezes não possuem muito tempo disponível para se dedicar a um curso presencial. 

Então as aulas remotas poupam tempo e dinheiro, além de serem mais cômodas, pelo fato dos alunos estarem em suas casas. Por isso existe uma forte tendência que está consolidando o ensino de idiomas de forma remota para uma parcela do público.

Também é preciso levar em conta que, além dos desafios de retomar às atividades presenciais, há também que se lidar com a readaptação de alunos e funcionários após um ano economicamente e emocionalmente difícil. 

Muitas famílias perderam entes queridos e muitos trabalhadores perderam seus empregos, o que significa cortes de gastos. Infelizmente, um curso de idiomas muitas vezes acaba caindo nesses cortes, o que dificulta a tarefa de reter os alunos.

Sendo assim, o gestor escolar deve colocar em uma balança qual seu público principal e o que ele quer. Um público infanto-juvenil, por exemplo, provavelmente vai demandar maior atenção ao ensino presencial, uma vez que é isso que os responsáveis geralmente procuram.

O fato é que um centro de ensino de idiomas não necessariamente precisa seguir os passos das escolas de ensino básico nesse momento de transição. 

Há a liberdade de lidar com o próprio serviço da forma que for mais conveniente no momento, desde que se atente para as legislações vigentes e diretrizes dos órgãos responsáveis. Isso garante flexibilidade ao negócio em um momento de incertezas e instabilidade.

Como construir um planejamento estratégico eficiente para 2021?

Gestão educacional em tempos de coronavírus | Sponte

Com tantos desafios e dúvidas acerca desse futuro próximo, é perfeitamente normal que alguns gestores se sintam perdidos no momento de bolar o planejamento pedagógico que irá reger as atividades da escola no próximo ano. Para isso existem alguns pontos-chave que merecem atenção.

O primeiro deles, sem dúvidas, é planejar a rotina escolar para que ela obedeça às diretrizes do Conselho Nacional de Educação para a retomada das aulas presenciais. 

Isso inclui orientar pais e alunos, bem como os colaboradores da escola, sobre procedimentos de higiene e prevenção, manutenção dos ambientes e sobre como se darão os processos que sofreram algum tipo de alteração a fim de manter a segurança de todos.

Ao preparar o planejamento para 2021, é necessário lembrar mais uma vez de qual contexto os alunos estarão voltando. Pandemia, isolamento social, perdas pessoais e financeiras, entre diversas outras coisas. 

Por isso, contemplar o trabalho de questões socioemocionais com os alunos é uma das mais fortes tendências educacionais do momento. Isso vale para qualquer tipo de escola.

Em relação ao calendário escolar, muitos centros de ensino estão considerando o início antecipado do ano letivo de 2021 para recuperar o conteúdo que, por qualquer motivo, não tenha sido abordado em 2020. 

Todos que trabalham com educação sabem das dificuldades enfrentadas por professores e alunos durante o período de aulas online. Por isso, é preciso se programar para cobrir qualquer falta ou prejuízo de conteúdo que as turmas tenham  enfrentado.

Contudo, o período de ensino à distância não foi puro prejuízo. Durante esses vários meses, alunos e professores tiveram a oportunidade de desenvolver habilidades e adquirir novos conhecimentos. 

Sendo assim, é interessante para o gestor planejar também formas de avaliar e diagnosticar as competências e saberes que os alunos e professores desenvolveram durante o ensino remoto.

Dicas práticas para montar seu planejamento estratégico

A seguir, separamos algumas dicas assertivas para o seu plano pedagógico de 2021:

  • A matriz SWOT é um diagrama muito conhecido no meio da administração. Consiste basicamente em uma tabela que lista as forças, as fraquezas, as ameaças e as oportunidades de um negócio. Reveja a última matriz SWOT da escola e, se ela ainda não tiver uma, recomenda-se sua criação. Isso porque essa matriz ajuda a visualizar tudo que precisa e pode ser melhorado na gestão escolar.
  • Revisitar os valores e filosofia da instituição também é muito importante para se certificar de que estão atualizados, bem como se as práticas atuais adotadas pela escola estão de acordo com seu propósito.
  • Com a SWOT e os valores da escola em mãos, é hora de definir as metas da instituição para o novo ano. Tarefa que fica muito mais fácil com as ferramentas certas, como citado anteriormente.
  • Para atingir os objetivos propostos no planejamento estratégico, é importante delegar tarefas e distribuir responsabilidades. No contexto das escolas de idiomas, que muitas vezes contam com uma equipe mais enxuta, isso é essencial para que o gestor não fique sobrecarregado e todas as metas sejam lembradas e atingidas.
  • Mais um ponto importante que deve constar no planejamento é prever avaliações periódicas sobre o andamento das atividades, para que se possa saber se todos os objetivos estão sendo alcançados, bem como quais problemas se apresentaram no caminho e como contorná-los.

Seguindo essas dicas, sua escola de idiomas certamente terá um planejamento pedagógico mais completo e eficiente para fazê-la render em 2021.

Mas também é importante lembrar que o planejamento não pode ser feito sozinho! O gestor representa a administração da escola, mas na hora de organizar seu planejamento pedagógico é essencial contar com a participação de toda a comunidade escolar.

Converse com a sua equipe e até com alunos, seus pais e responsáveis. Assim, você terá um planejamento que realmente atenda às demandas e as necessidades de todos, aproveitando os pontos fortes da sua escola.

Saiba mais sobre como fazer um planejamento pedagógico participativo. Acesse nosso eBook:

Baixe agora: A Importância do Planejamento Participativo na Gestão Escolar Democrática

compartilhe:

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on google
Gerente de Produto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *