Por Suellen Bosse, 09 de julho de 2021

Como ajudar os adolescentes a construir um projeto de vida?

Saiba como sua gestão escolar pode ajudar os adolescentes a desenvolverem seus próprios projetos de vida na escola.

Começar desde cedo a planejar a vida é algo que pode ser muito útil no futuro. Diante disso, preparamos este artigo para apresentar algumas dicas de como desenvolver essa mentalidade entre os alunos de sua escola.

Apresentar uma perspectiva do futuro é uma forma eficaz de mostrar aos jovens que vale a pena investir nos estudos.

Isso não é positivo apenas para os alunos, mas também mostra um aumento de resultados para os professores, que conseguem identificar exatamente quais competências precisam desenvolver em sala de aula.

Ter aulas não apenas no plano teórico, mas também partir para a prática é outra forma de aumentar o interesse dos estudantes no ambiente escolar e em seus próprios futuros.

Nesse sentido, o papel da escola é muito importante para despertar, em seus alunos, essa visão. Afinal, é nos anos escolares que começamos a planejar a vida adulta.

Construir um projeto de vida, no qual o jovem tem uma ideia do profissional que quer ser no futuro e do estilo de vida que quer adotar, é o começo de tudo isso. 

Estabelecer objetivos a curto, médio e longo prazo é uma excelente estratégia para tanto. O melhor, então, é ampliar o pensamento dos adolescentes, ajudando-os a enxergar além dos benefícios diretos de se construir uma carreira e ser um profissional.

É uma tarefa complexa para ser trabalhada dentro do ambiente escolar. Mas, construir uma visão positiva do futuro, estimula os jovens a batalharem por ele. Continue sua leitura e saiba mais sobre isso:

Projeto de vida: o que diz a BNCC?

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC), ao priorizar as habilidades socioemocionais e as competências do mundo moderno, coloca o projeto de vida como a modalidade capaz de preparar os discentes para o século XXI.

De tal forma, a BNCC propõe que as escolas desenvolvam alunos produtivos, autônomos e solidários. Somente assim, a nova geração será capaz de prosperar e construir uma sociedade desenvolvida.

O projeto de vida precisa trabalhar teoria e prática simultaneamente, de modo que os jovens consigam identificar suas habilidades, anseios e desejos para o futuro e, também, traçar planos estratégicos para conseguirem atingir suas metas.

É uma jornada constante do autoconhecimento. O aluno deve se perguntar, “Onde eu estou?” e “Onde eu quero chegar?”, a fim de obter uma resposta concreta para ambos os questionamentos.

A BNCC é enfática no que diz respeito à necessidade de colocar o aluno em um papel ativo e de protagonista do próprio aprendizado. O documento defende que ele deve “fazer escolhas alinhadas ao exercício da cidadania e ao seu projeto de vida”.

Isso deve ser feito sempre com autonomia, liberdade, reflexão crítica e consciência. Assim, o aluno se desenvolverá nos planos pessoal, social e profissional.

Por fim, a BNCC ressalta a importância de desenvolver as habilidades de resolução de problemas, comunicação, noções de como empreender e de planejamento financeiro, gestão de tempo e organização.

A relevância do planejamento do futuro nas escolas

O Ensino Médio pode ser organizado em três etapas:

  • No primeiro ano, o aluno deve se conhecer melhor e começar a entender o que quer para o próprio futuro.
  • No segundo ano, em busca de identificação, é importante que o corpo discente entre em contato com o maior número de profissões possíveis.
  • No terceiro ano, os jovens devem conhecer profundamente o mundo de trabalho e aprender sobre as competências valorizadas em um bom profissional, como criatividade, resiliência, adaptação e autonomia.

O sonho do seu estudante é conhecer o mundo, por exemplo? Planeje junto com ele a possibilidade de isso acontecer. Liste as opções de carreiras que podem levar a esse objetivo e quais habilidades elas exigem.

Por outro lado, se ele tem o desejo de ser dono do próprio negócio, passar noções básicas de administração, empreendedorismo e investimentos pode ser algo que irá alavancar esse potencial. 

No entanto, apesar de ganhar forte enfoque no Ensino Médio, o projeto de vida deve começar a se desenvolver já nos anos iniciais do Ensino Fundamental. 

Nessa etapa educacional, os indivíduos já são capazes de entender como funciona a vida em sociedade, ter noções de ética e começar a fase do autoconhecimento.

O projeto de vida deve estar presente em todos os momentos da educação básica.

A importância da motivação para alunos adolescentes

Oriente seus professores a não “quebrarem” os sonhos dos seus alunos, por mais que a visão que eles tenham do futuro seja fantasiosa. Ao invés de desmotivar, o educador pode impulsionar ideias, mostrando que nada será perfeito, mas que algumas coisas podem ser previstas e trabalhadas.

Desse modo, o professor deve incentivar a autoavaliação em atividades que são desenvolvidas no ambiente escolar. Assim, o aluno estará em constante reflexão e ponderando sobre o seu próprio papel na sociedade.

Isso é essencial para identificar como está o desempenho do estudante em relação ao seu objetivo e ele próprio será capaz de fazer as adaptações necessárias para o seu plano de vida.

O educador pode analisar junto com seus alunos as possibilidades que eles possuem para o futuro, ajudando-os a identificar e superar obstáculos. Além disso, se as ideias dos alunos puderem ser colocadas em prática já na fase escolar, é importante dar suporte para que eles concretizem os primeiros empreendimentos.

A gestão escolar, por sua vez, deve incentivar os professores a cumprirem esse papel tão importante e também disponibilizar estrutura para que isso seja possível. 

Contar com oficinas e laboratórios, e ter um currículo escolar que explore conceitos de empreendedorismo e potencialize as ideias de seus alunos, são excelentes maneiras de manter os adolescentes motivados,

Mudanças: a importância de uma mente aberta para o projeto de vida

Deixe seus alunos abertos para as possíveis mudanças de rumo. Os adolescentes estão em uma fase complicada para tomar grandes decisões e é normal desejarem tudo e nada ao mesmo tempo.

Disponibilize as opções para que eles escolham. Eles provavelmente irão reorganizar o próprio projeto de vida algumas vezes, ajustando oportunidades e adversidades.

É importante trabalhar esse conceito de mudança, especialmente na realidade do ensino remoto atual.

Fazer os alunos entenderem que as relações humanas estão cada vez mais digitais e ver os encontros a distância como uma possibilidade é essencial para apresentar essa realidade. Lembrando, claro, que o mundo digital já faz parte do dia a dia deles, mas que será ainda mais importante em seus futuros.

Oriente seus professores a levarem para a sala de aula o exemplo de grandes companhias, cujos funcionários estão espalhados pelo mundo e só podem realizar encontros remotamente.

Nesses casos, a distância não é vista como uma barreira, e sim como uma maneira de ter uma equipe diversificada culturalmente. Grandes empresas têm adotado o sistema remoto de trabalho permanentemente, como o Google, a Apple e o Twitter, por exemplo.

A realidade global é essa, e manter a mente aberta a mudanças é um dos pilares da construção de um projeto de vida. 

Viver em um mundo dinâmico e multicultural exigirá a rápida adequação dos alunos e é importante que eles desenvolvam essa habilidade no ambiente escolar.

Um mundo de possibilidades para os adolescentesQuais são as competências de um diretor escolar

A geração atual nasceu em meio a democracia, estabilidade econômica e muitas outras conquistas. 

Isso pode gerar a falsa sensação de que não há nada a ser feito pelo mundo. Mostre as inúmeras mudanças que ainda precisam ocorrer. É relevante ressaltar as desigualdades, os conflitos e a falta de recursos naturais.

Instruir seus professores a promoverem debates em sala de aula para que os alunos reflitam sobre os grandes dilemas do mundo moderno é extremamente enriquecedor. 

Despertar nos alunos uma simpatia pelo social é importante para que eles queiram se mobilizar por alguma causa. 

Ter conhecimento de outras realidades pode ajudar os alunos a se identificarem com algum movimento social. 

Não precisa ir longe: leve seus alunos a uma instituição sem fins lucrativos da própria cidade para eles terem contato com o trabalho voluntário que é desenvolvido no lugar.

Mostrar documentários ou realizar pesquisas online, nas quais eles verão que o mundo é diferente em cada lugar, também são ideias interessantes. 

Estimular os jovens a conhecerem outras realidades faz com que eles pensem maior, fora da caixa.

Um bom projeto de vida pode e deve começar dentro da escola. Além de estimular os estudos para alcançar um objetivo futuro, isso leva os adolescentes a conhecerem realidades e ideais que não estão nas matérias escolares, agregando conteúdo para suas vidas. 

Dicas de como implementar o projeto de vida na sala de aula

Os alunos precisarão se adaptar a esse novo modelo de ensino e sair de uma posição passiva para a posição ativa dentro da sala de aula.

Porém, primeiro, a mudança deve acontecer dentro da escola. Há algumas dicas para que a implementação ocorra da melhor forma possível:

  • Os corpos pedagógico e docente devem fazer a elaboração do currículo de modo colaborativo, em uma gestão democrática.
  • A escola deve incentivar a participação dos pais e responsáveis na elaboração de atividades e conteúdos a serem trabalhados em sala de aula. 
  • Também é papel da escola estimular a troca de ideias e boas práticas entre os professores e motivá-los a realizar atividades conjuntas com os alunos, aumentando a interdisciplinaridade na sala de aula.
  • Sempre recorrer à tecnologia e instrumentos digitais no processo de ensino-aprendizagem.
  • Promover palestras, cursos rápidos e oficinas entre alunos, pais, responsáveis, professores e comunidade.
  • Identificar aqueles professores com o perfil de mentor para dialogarem com os alunos e trocarem experiências, a fim de que esse docente ajude a coordenação da escola nessa tarefa de orientação vocacional.
  • Relacionar as habilidades cognitivas das matérias curriculares com as competências socioemocionais.

Essas práticas podem ajudar a equipe pedagógica na implementação do projeto de vida em sala de aula.

Assim, sua escola ficará alinhada com os quatro pilares da educação da UNESCO (aprender a ser, aprender a conhecer, aprender a fazer e aprender a conviver) e será, também, responsável pela construção de um país mais próspero.

Para isso, é preciso ter uma escola preparada para o futuro. Saiba mais no eBook: 

guia do planejamento para escolas do futuro

compartilhe:

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on google
Gerente de Marketing

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *