Por Carla Helena Lange, 19 de janeiro de 2022
Tempo de leitura: 6 minutos

Itinerários Formativos: tudo o que o gestor escolar precisa saber

Os Itinerários Formativos tornam possível que o aluno trace, em parceria com a escola, seus objetivos acadêmicos e profissionais. Saiba mais sobre essa face do Novo Ensino Médio para ter sucesso em sua gestão escolar.

Itinerários Formativos: o que o gestor escolar precisa saber | Sponte

Desde o lançamento da proposta do Novo Ensino Médio os Itinerários Formativos despertam muitas dúvidas no diretor de escola, principalmente por conta dos desafios para implementá-los. 

Essa reforma, apesar de desafiadora, é uma resposta da educação às necessidades dos estudantes nascidos em uma era totalmente digital. Por ser uma enorme mudança na realidade das escolas, é imprescindível que os diretores de Educação Básica estejam prontos para auxiliar os alunos e professores nessa nova fase. 

Além disso, essa grande transformação veio para atender às diversidades presentes nas escolas. Nesse sentido, os Itinerários Formativos tornam possível que o aluno trace, em parceria com a instituição de ensino, seus objetivos acadêmicos e profissionais. 

Pensando em ajudar você, gestor escolar, com essa novidade, preparamos este artigo com os principais pontos a respeito dos Itinerários Formativos. Aproveite a leitura!  

O que são os Itinerários Formativos na prática?
Quantos Itinerários Formativos a escola deve oferecer?
Quais os eixos estruturantes dos Itinerários Formativos?
Como lidar com os Itinerários Formativos do Novo Ensino Médio em sua escola?

O que são os Itinerários Formativos na prática?

Itinerários Formativos: o que o gestor escolar precisa saber | Sponte

Na prática, os Itinerários Formativos são uma tentativa de articular os históricos distintos de cada aluno, a fim de levá-lo a escolher o rumo do seu próprio desenvolvimento, por meio de um conjunto de disciplinas, projetos, oficinas, núcleos de estudo, entre outras atividades que os estudantes poderão escolher no Ensino Médio.

Para a escola, significa a necessidade de trabalhar para oferecer muita orientação. É um momento complexo, são pessoas muito jovens buscando a melhor forma de tomar uma difícil decisão. 

Entre as 3.000 horas que estão determinadas para o Novo Ensino Médio, 1.200 serão destinadas aos Itinerários Formativos. É uma mudança que requer da gestão escolar estratégias que buscam trabalhar o Projeto de Vida dos alunos. Isto é, oferecer a possibilidade de os estudantes arquitetarem uma vida profissional e cidadã produtiva. 

Na prática, toda realidade da escola precisa se moldar para oferecer uma forma de os alunos organizarem suas metas, exercitarem muito a determinação e prepararem-se para o futuro. 

Os Itinerários Formativos podem exigir muito do gestor escolar, porque estamos falando sobre uma recontextualização de grande parte daquilo que conhecemos por Ensino Médio. 

Os diretores precisarão articular três coisas para colocar os Itinerários Formativos em prática: as áreas de conhecimento que serão oferecidas, a orientação quanto ao Projeto de Vida dos alunos e a participação da comunidade escolar. 

Leia mais: Reforma do Ensino Médio: conheça os principais pontos

Para saber mais detalhes sobre essa nova tentativa de atender às necessidades dos jovens, continue a leitura!

Quantos Itinerários Formativos a escola deve oferecer?

A reforma pede que as escolas ofereçam pelo menos dois Itinerários Formativos em diferentes áreas do conhecimento e/ou na Formação Técnica e Profissional (FTP). Assim, é possível que os alunos optem por diferentes arranjos escolares, contemplando a diversidade dos interesses dos estudantes. 

Para determinar esses itinerários, é preciso considerar alguns aspectos: 

  • Perfil dos estudantes: conhecer os interesses e necessidades dos jovens.
  • Localidade: avaliar as demandas do mercado de trabalho local. 
  • Infraestrutura da escola: analisar se há estrutura física, como salas, materiais e equipamentos para oferecer diferentes Itinerários Formativos.
  • Equipe docente: avaliar se há disponibilidade e conhecimento técnico por parte dos profissionais para a oferta dos itinerários.
  • Quantidade de alunos: se sua escola possui um número maior de estudantes, precisará ofertar mais itinerários para dar conta da demanda.

Levando em conta esses detalhes e que trabalhar novas aprendizagens e práticas pedagógicas podem exigir da escola um replanejamento dos espaços escolares, como por exemplo atividades mais interativas, que demandam de um espaço propício para trabalho em grupo — como laboratórios, a capacidade de oferta pode ser bem limitada

Leia mais: O planejamento pedagógico e sua influência nas escolas

É possível, também, que as escolas busquem parcerias para facilitar a oferta de diferentes Itinerários Formativos. Um exemplo disso é que ela pode fechar uma parceria com um instituto de formação para o mercado financeiro, a fim de ofertar a FTP. Tudo vai depender de qual campo profissionalizante foi escolhido pela escola. Apesar de não ser obrigatório, esse pode ser um grande diferencial para sua escola frente à concorrência local. 

O principal ponto a ser analisado pelos diretores de escola é que a instituição deve buscar um equilíbrio entre oferecer autonomia para que os alunos escolham e garantir a qualidade do itinerário formativo que está sendo oferecido. 

Por isso, um dos grandes desafios de participar ativamente desse processo de escolha de quais e quantos Itinerários Formativos é diagnosticar o potencial da escola e fazê-lo ir ao encontro dos objetivos dos alunos. 

Leia mais: Novo Ensino Médio: o que sua escola precisa fazer na prática?

Itinerários Formativos: o que o gestor escolar precisa saber | Sponte

Quais os eixos estruturantes dos Itinerários Formativos?

Os Itinerários Formativos têm como objetivo desenvolver a formação integral dos alunos, a fim de ajudá-los a ampliar suas perspectivas sobre o mundo, tomar boas decisões, conquistar independência e agir com responsabilidade. 

Para isso, as habilidades gerais e específicas trabalhadas giram em torno de quatro eixos estruturantes. Para entender melhor: 

  • Investigação Científica: os alunos aprenderão a desenvolver o “pensar e fazer” científico a partir de atividades de investigação da realidade, a fim de buscar meios para melhorar a qualidade de vida em comunidade.
  • Processos Criativos: os projetos escolares terão como foco a criatividade, desenvolvendo trabalhos que envolvem linguística, artes, cultura e ciência, com o objetivo de ampliar o conhecimento nessas áreas.
  • Mediação e Intervenção Cultural: os alunos terão oportunidade de se envolverem com a vida pública e desenvolverem projetos de intervenção sociocultural, com o intuito de melhorar o acesso à arte e à cultura no local, além de outras atividades que transformam positivamente a comunidade.
  • Empreendedorismo: os estudantes terão a possibilidade de criar projetos pessoais, identificar desafios, planejar e tirar ideias do papel, a fim de estimular o empreendedorismo e ajudá-los a enfrentar desafios do mundo do trabalho.

Nesse sentido, ao passo que os Itinerários Formativos são compostos por aprofundamentos nas áreas do conhecimento ou a formação técnica e profissional, as eletivas e o Projeto de Vida, os eixos estruturantes devem, de alguma forma, estar presentes nessas dimensões. 

Com isso, espera-se que, ao final do Ensino Médio, os estudantes sejam capazes de desenvolver pesquisas científicas, pensar em soluções e inovações que contribuam de maneira positiva para a vida pessoal, acadêmica, profissional e cidadã. 

Veja mais sobre como os eixos estruturantes estão presentes nas dimensões dos itinerários: 

  • Aprofundamentos: o intuito é expandir os aprendizados da formação geral. De maneira articulada com temas atuais, que vão ao encontro dos interesses dos estudantes, é fundamental trabalhar para que cada aluno consiga explorar seu potencial e ampliar o conhecimento em cada área. Quanto à FTP, o aprofundamento será focado nas habilidades específicas exigidas pelo mundo de trabalho.
  • Eletivas: as unidades curriculares que são de livre escolha dos estudantes também devem trabalhar com os eixos estruturantes, uma vez que a intencionalidade pedagógica deve ser sempre oferecer um ensino emancipador para os alunos. 
  • Projeto de Vida: o trabalho pedagógico deve sempre ter como objetivo desenvolver a capacidade do aluno de tomar decisões e buscar sentido para a vida. Por meio dos eixos estruturantes é possível oferecer vivências que desenvolvem as competências gerais propostas pela BNCC, como empatia, cooperação, responsabilidade e cidadania, entre outras.

De maneira geral, os eixos estruturantes trabalharão para integrar o ensino de modo que os alunos encontrem em sua trajetória escolar oportunidades para vivenciar experiências que se associam à realidade social. Isso impactará muito positivamente a sociedade e o estudante a médio prazo. 

CTA

Como lidar com os Itinerários Formativos do Novo Ensino Médio em sua escola?

Agora que estão claros os objetivos dos Itinerários Formativos, vamos ao passo a passo de como lidar com essa mudança: 

  • Estudo e diagnóstico: as escolas precisarão entender a BNCC a fundo e as questões relacionadas ao Projeto de Vida dos estudantes. Depois disso, diagnosticar a capacidade da escola e a necessidade dos jovens, docentes e da sociedade, a fim de ter o insumo necessário para reelaborar os currículos. 
  • Reelaboração do currículo: será necessário reestruturar os currículos do Ensino Médio para possibilitar os diferentes Itinerários Formativos vistos anteriormente.
  • Implementação: as escolas precisarão adotar ações coletivas para implantar efetivamente os novos Itinerários Formativos. 

Apesar de a implementação dos Itinerários Formativos abranger poucos passos gerais, a atividade é bem desafiadora. O diretor escolar precisará unir forças com toda a comunidade escolar para passar de maneira tranquila por essas mudanças, principalmente porque os demais entraves que atrapalham a educação no Brasil não vão parar para que a escola se adapte ao Novo Ensino Médio. 

Leia mais: Como a gestão escolar deve lidar com o Novo Ensino Médio

Lidar com o “novo normal” será um dos desafios do diretor pós-pandemia. 

Em meio a tantas funções, os gestores escolares precisarão buscar formas de aliviar a carga de trabalho para poder focar naquilo que mais importa no momento. Uma forma de fazer isso é contando com o apoio de um sistema de gestão escolar totalmente preparado para a realidade do Novo Ensino Médio. Veja como ele melhora seu tempo para focar nos novos Itinerários Formativos: 

Você quer saber mais sobre como o Sistema de Gestão Escolar Sponte pode melhorar a implantação dos Itinerários Formativos em sua escola? Conheça nosso site e fale com um especialista!

compartilhe:

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Analista de Conteúdo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.