Como acolher alunos estrangeiros?

Entenda como funciona e como adaptar o ensino para receber alunos estrangeiros em sua instituição de ensino de forma prática

Por Sponte em 18 de abril de 2018.

Segundo dados do censo escolar, o número de estudantes imigrantes e refugiados matriculados em escolas brasileiras aumentou em 112% em oito anos (de 2008 a 2016). Esses números demonstram que tem sido cada vez mais importante a criação de políticas que preparem a escola e toda a comunidade escolar para receber e, mais do que isso, acolher bem os alunos estrangeiros.

Pensando nisso, nós da Sponte trazemos algumas dicas para que sua instituição proporcione uma boa experiência escolar para esses estudantes. Confira!

1. Recepção

Um bom primeiro contato do aluno e da família com a escola é fundamental para que eles se sintam mais confortáveis e menos receosos com a possível exclusão por conta da diferença de cultura e língua. Para que isso seja possível é necessário que sua equipe esteja preparada para recebê-la.

Além disso, é importante apresentar as dependências da escola, explicar o funcionamento das aulas e das atividades, apresentar o projeto político pedagógico e, principalmente, as ações voltadas à inclusão e adaptação dos alunos estrangeiros.  

2. Adaptação cultural

Para atender alunos estrangeiros na sua instituição, é preciso ter em mente que eles possuem uma cultura diferente e, além de inseri-los gradativamente na nossa, é necessário respeitar a sua origem e seus costumes.

O processo de migração e adaptação em um local totalmente diferente é por si só um grande desafio para as famílias estrangeiras, além de desgastante. Por isso, a escola tem como dever proporcionar um ambiente de respeito às diferenças, se mostrar aberta a novas culturas e respeitar o tempo de adaptação do estudante.

Nesse sentindo, a instituição pode colocar em prática atividades de apoio ao conhecimento de outras culturas, incentivando os alunos estrangeiros a falarem sobre seu país e seus costumes. Essa escuta será muito importante para que eles se sintam valorizados, ouvidos e acolhidos pela escola e pelos colegas.

Além disso, explicar matérias e utilizar exemplos mais abrangentes, e menos baseados em conhecimento prévio da língua ou da cultura brasileira, são formas de amparar e introduzir, aos poucos e com segurança, o estudante no processo de aprendizagem da escola.

3. Ensino do português

Naturalmente, a maior dificuldade dos estudantes estrangeiros, mesmo os mais aplicados, estará no aprendizado gramatical do português. Isso porque o processo de aquisição de uma língua se dá de forma diferente para crianças que estão aprendendo o seu idioma materno (ou seja, crianças brasileiras que estão aprendendo português) e para aquelas que estão aprendendo uma língua estrangeira (crianças estrangeiras que estão aprendendo português). Este processo se torna ainda mais complexo conforme a idade do estudante vai avançando.

Dessa forma, a escola precisa trabalhar de formas diferentes, quanto ao ensino do português, com os alunos brasileiros e com os estrangeiros. Algumas possibilidades para isso são: a adaptação do currículo, utilizando mais exemplos visuais e menos formais; o oferecimento de aulas próprias para ensino do português para estrangeiros, que podem ser inseridas no currículo comum do estudante ou oferecidas no contraturno, através da contratação de profissionais especializados; e por meio do ensino bilíngue, caso a escola ofereça essa opção.

4. Desafios diários

No processo de adaptação, muitas atividades simples e diárias, como cumprimentar alguém ou fazer uma pergunta, podem se tornar grandes desafios e focos de estresse e introspecção. Nesse sentido, podem surgir pequenos obstáculos na sala de aula e é importante que a escola e o professor saibam trabalhar com as dificuldades e ensinar os alunos a se superarem.

Além de trabalhar com todos os alunos sobre a importância do respeito às diferenças, é imprescindível adotar a cultura da colaboração e acolher também as famílias estrangeiras – inserindo-as no contexto escolar e habilitando o espaço e os eventos para recebê-los.

Vale lembrar que se para as crianças estrangeiras já é um grande desafio se adaptar a cultura do novo país, para os pais – que estão fora da escola e, provavelmente, têm menos oportunidades de aprendizado – é ainda mais dificultoso e desafiador.  Por isso, a escola precisa ser um pouco mais flexível e buscar meios de facilitar a comunicação e a participação das famílias estrangeiras nos eventos escolares.

A escola é, muitas vezes, o maior ponto de contato do aluno estrangeiro com a cultura e linguagem brasileira. Por isso, tem papel fundamental na adaptação do estudante ao novo país. Esperamos que, ao adotar algumas de nossas dicas, você consiga possa acolher melhor esses alunos em sua instituição de ensino.

Gostou do nosso conteúdo? Utiliza alguma estratégia que dá muito certo no acolhimento dos alunos estrangeiros? Conte-nos sua experiência através dos comentários! A Sponte trabalha para que sua instituição ofereça um serviço ensino cada vez melhor. Conte sempre com a gente!

 

Sponte /