Como ensinar e praticar a cidadania com as crianças?

Ensinar cidadania para crianças é muito importante, tanto na educação básica como na educação infantil. Saiba como fazer isso:

Por Cristopher Morais em 09 de novembro de 2020.

A cidadania é uma das competências da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e é determinante para a educação das crianças e jovens. Ainda mais se levarmos em conta a sociedade atual, é de extrema importância que os alunos consigam se enxergar como parte dela e como agentes transformadores. 

A premissa é trabalhar a ideia de que, independente da idade, cada indivíduo pode exercitar hábitos que causam um impacto positivo na sociedade através de valores como solidariedade, compaixão, empatia, cooperação e respeito.

Tendo como um dos principais objetivos a formação de adultos conscientes, com plena capacidade de conviver e gerir a sociedade de modo sustentável, ensinar e praticar a cidadania em sala de aula é essencial. Principalmente na educação básica.

Por isso mesmo, acaba se tornando um dever das instituições de ensino que cumpram plenamente o seu papel social ensinando e praticando cidadania. 

Porém, como trazer esses conceitos para a sala de aula? E principalmente, como aplicá-los na prática com os alunos? 

Entenda neste post como a equipe pedagógica e o gestor podem trazer a cidadania para dentro da escola, contribuindo para uma formação mais completa dos estudantes.

O que você vai encontrar neste artigo:

Como aplicar a cidadania no cotidiano escolar?
Como trabalhar a cidadania com os alunos?
1. Propor rodas de conversa
2. Realizar feiras de empreendedorismo
3. Ajudar na criação de normas e regras em sala de aula
4. Trazer exemplos da comunidade
5. Incentivar projetos comunitários
6. Ensinar os alunos a reconhecer e aprender com os próprios erros
7. Trabalhar a cidadania digital

Como aplicar a cidadania no cotidiano escolar?

Como ensinar e praticar a cidadania com crianças | Sponte

Segundo a BNCC, a cidadania envolve a execução de atividades pessoais e coletivas por parte do indivíduo com autonomia, responsabilidade, flexibilidade, resiliência e determinação. Além disso, faz parte decidir-se com base em princípios éticos, democráticos, inclusivos, sustentáveis e solidários.

O que isso quer dizer? Significa que a criança precisa aprender a desenvolver tais habilidades sociais e valores para ser um bom cidadão em sociedade. Por isso mesmo, este assunto deve estar incluso no Projeto Político Pedagógico de sua escola. 

O amadurecimento e desenvolvimento das crianças e jovens incluem esses ensinamentos, que por sua vez são uma questão que envolve a família e a escola. Portanto, a gestão escolar possui também a tarefa de incentivar toda a comunidade escolar a trazer assuntos relacionados à cidadania para o seu cotidiano.

Dentro do contexto escolar, a cidadania pode ser praticada desde simples atitudes, como um projeto sobre a produção de lixo na sociedade, até projetos mais extensos, como envolver toda a comunidade ao redor da escola. Isso pode ser feito criando um movimento no qual as crianças conscientizem os vizinhos a jogar o lixo no lugar certo e a praticar a reciclagem. 

São inúmeros os assuntos que podem ser trabalhados de diferentes formas, com crianças de todas as idades e até adolescentes.

Outro fator importante para construir uma proposta pedagógica que preze pela cidadania é fazer com que o tema seja abordado de alguma maneira em todas as disciplinas. Dessa maneira, cada professor poderá transmitir a sua visão desse conceito e como ele pode ser aplicado na rotina das crianças. 

A sala de professores é um bom local para promover a discussão entre o corpo docente e alinhar suas ações e abordagens sobre o assunto. 

Os professores precisam auxiliar os alunos para que se tornem cidadãos críticos, engajados e atentos ao que acontece no mundo ao seu redor. Aplicar o conteúdo associado à cidadania no cotidiano dos alunos é a chave para que eles possam assimilar todas as ideias. Apenas a partir disso eles irão colocá-las em prática em suas vidas de forma efetiva.

É fundamental que os alunos compreendam que ser um cidadão está relacionado à participação ativa na vida em comunidade e que, como membros ativos da sociedade, suas ações devem ter um impacto positivo na esfera coletiva. 

Dentro do universo do ensino infantil, alguns dos exemplos mais fáceis de serem assimilados são: economizar água, respeitar o próximo, doar brinquedos com os quais não se brinca mais, ajudar os mais necessitados, saber perdoar, reconhecer seus próprios erros e ser solidário.

Além do papel fundamental da escola e sua gestão, a família também precisa estar ativa nessa causa. Por mais que em sala sejam trabalhados os conceitos e atividades em prol do desenvolvimento da consciência cidadã do aluno, é necessário que essas ideias se estendam para além da escola e sejam aplicadas no dia a dia. Afinal, o objetivo é que o aluno leve isso para a sociedade.

Por isso, a parceria entre escola e família se torna peça-chave para consolidar o ensino da postura cidadã. 

É com a família, presente e estruturadora do cotidiano dos alunos quando fora da escola, que os conceitos serão aplicados na prática e novos exemplos vão surgindo na perspectiva das crianças, assimilando tudo o que foi aprendido e incorporando as práticas como parte de seus hábitos e valores.

Assim sendo, o ensino e a prática da cidadania são importantes para que as escolas ajudem na construção de uma sociedade melhor, buscando sempre trabalhar esse conceito com os seus alunos durante as aulas e atividades. 

É preciso que os jovens saiam das escolas conscientes de seus deveres como cidadãos da sociedade na qual estão inseridos.

Como trabalhar a cidadania com os alunos?

Além de inserir práticas cidadãs em todo o contexto da comunidade escolar, existem maneiras de ensinar a cidadania para os alunos de forma mais ativa: através de atividades em sala de aula. 

Cada professor, ao preparar suas aulas, deve ter isso em mente e encaixar as práticas cidadãs no contexto de sua disciplina. 

A seguir traremos algumas ideias e sugestões de atividades a serem realizadas com os  alunos a fim de trabalhar os conceitos que são englobados pela cidadania. Acompanhe:

1. Propor rodas de conversa

O diálogo e o debate são ferramentas muito eficazes para que os alunos tenham contato com opiniões e vivências diferentes. Dessa maneira eles aprendem a expor seus pontos de vista e colocar em prática conceitos como respeito e empatia, além de desenvolver seu senso crítico. 

Essa atividade pode ser realizada a partir de diversos pontos de partida. O professor pode levar um tema central a ser abordado, ou ainda apresentar diversas notícias. 

Isso contextualiza os conceitos abordados em sala no cotidiano do aluno, possibilitando o desenvolvimento do debate com eles. 

A discussão caminha para que digam se o ocorrido está de acordo com as características que englobam a cidadania e o que poderia ser feito para melhorar a vida dos indivíduos envolvidos. Afinal, a formulação de ideias que cooperem com a sociedade de forma positiva é uma das características de um cidadão ativo.

2. Realizar feiras de empreendedorismo

Características empreendedoras são extremamente valorizadas nos dias de hoje. Associá-las a práticas cidadãs é muito interessante para a formação dos alunos, já que ideias inovadoras, que transformam a sociedade para melhor, são sempre muito bem-vindas. 

Portanto, a realização de feiras de empreendedorismo, que incentivam a criação de ideias sustentáveis, são uma ótima forma de abrir espaço para que os alunos identifiquem por conta própria necessidades e pontos a serem melhorados na sociedade. 

Como resultado,pode ser requisitado que eles apresentem soluções viáveis para os problemas, mais uma vez levando à prática os conceitos explorados em sala de aula.

3. Ajudar na criação de normas e regras em sala de aula

Ser questionador faz parte das qualidades de um cidadão ativo, sendo uma postura que deve ser incentivada nos alunos. 

Ao simplesmente impor regras de conduta em sala de aula, tira-se do aluno a oportunidade de refletir sobre sua necessidade. Sobretudo com adolescentes isso pode ser motivos de conflito, pois estão em um momento em que questionar o que acontece em sua volta é algo muito natural. 

Eles querem entender seus limites e o porquê deles existirem. Sendo assim, é muito interessante que, desde crianças, os alunos possam participar do processo de criação de regras da sala e da turma, e discutir os direitos de cada pessoa como cidadão e o que isso representa na prática. 

O professor entra nesse cenário como orientador e mediador, sempre questionando os alunos e trazendo à tona pontos contraditórios que por ventura apareçam durante as discussões. 

Ele também exaltará condutas que estejam corretas do ponto de vista da cidadania, tendo em mente os valores de igualdade, respeito, solidariedade e cooperação. Afinal, os alunos ainda estão aprendendo e suas vivências por vezes são incompletas, fazendo com que eles possam ignorar pontos importantes que devem ser levados em consideração para uma convivência harmônica. 

O resultado é um aprendizado coletivo construído a partir da perspectiva de todos e um exercício de como é participar ativamente da comunidade.

4. Trazer exemplos da comunidade

Mais uma forma de aplicar na prática os conceitos de cidadania é através de exemplos. 

Além dos levados pelo professor, é muito interessante pedir aos alunos que tragam exemplos observados fora da escola para as discussões em sala. Desse modo, além de contextualizar a cidadania, a criança poderá apurar seu olhar para bons modelos a serem compartilhados e exaltados.

5. Incentivar projetos comunitários

vComo ensinar e praticar a cidadania com crianças | Sponte

Além de trazer os conceitos de cidadania para dentro da escola, é importante que eles sejam colocados em prática no meio em que está inserida. 

A gestão escolar deve incentivar e apoiar projetos locais de cunho social marcando uma postura consciente por parte da instituição, evidenciando sua presença e importância na comunidade, além de servir como exemplo para seus próprios alunos.

6. Ensinar os alunos a reconhecer e aprender com os próprios erros

Uma das principais lições a serem aprendidas na infância é que todas as pessoas estão sujeitas a erros. 

Nesse caso, o que deve ser feito é saber reconhecê-los e aprender com eles para que não se repitam no futuro. Esse conceito é fundamental para que as crianças se tornem adultos conscientes das suas decisões e dispostos a sempre evoluir. 

Abrir mão do ego, da vaidade e do preciosismo são características que já estão sendo discutidas por diversos estudiosos como parte de uma sociedade mais justa e igualitária.

7. Trabalhar a cidadania digital

Sendo os alunos, sobretudo os mais jovens, nativos-digitais, a cidadania digital é um tópico que não pode ficar de fora. 

Ela engloba compreender o contexto tecnológico no qual estamos inseridos, saber como operá-lo e como usá-lo de forma consciente, respeitando limites sociais e focando em um desenvolvimento conjunto entre indivíduo e sociedade. 

Para os adolescentes ainda, assuntos como cyberbullying e respeito ao próximo nas redes sociais tem muito espaço nos dias de hoje.

Uma escola mais digital é capaz de abordar este assunto de maneira mais natural, aumentando as chances de ensinar aos seus alunos como ter um convívio mais saudável no ambiente online. E o primeiro passo para fazer isso acontecer, é através do ensino híbrido.

Saiba mais sobre em nosso eBook: 

Cristopher Morais / Gerente de Produto

Atualmente é Gerente de Produto, com mais de 10 anos em experiência soluções inteligentes na área da educação, faz parte do time da Sponte há 13 anos.