Por Cristopher Morais, 22 de julho de 2021

Como avaliar a aprendizagem de alunos com o ensino remoto?

Saiba como avaliar o desempenho e o desenvolvimento de seus alunos durante as aulas online no período de pandemia.

Como avaliar a aprendizagem no ensino remoto?

A necessidade do ensino remoto, durante a pandemia, exigiu um sério trabalho de adaptação na gestão escolar. As escolas tiveram de buscar formas de fazer funcionar uma metodologia que, até então, era raramente utilizada na educação básica

Foi preciso correr atrás de equipamentos, salas de aula virtuais e aprendizado para os professores lidarem com as aulas a distância. Além de adaptar o plano pedagógico e o calendário escolar, tudo para atender a essa nova realidade.

Leia mais: Como adaptar aulas remotas e aulas presenciais?

Um ano se passou, a campanha de vacinação no Brasil começou e, pouco a pouco, as escolas passaram a reabrir e retornar às aulas presenciais. Contudo, não é tão simples assim. Muitas famílias, e até alunos, questionam-se sobre o aprendizado do ano que se passou. 

A dúvida sobre a eficiência das aulas e o nível de desenvolvimento dos alunos durante o ano letivo não é novidade. No sistema tradicional, inclusive, esse é o objetivo das avaliações escolares: analisar o quanto foi aprendido pelos alunos sobre os assuntos tratados nas aulas.

O problema é que, dentro do contexto do ensino remoto, ainda não é muito claro como se pode avaliar o aprendizado que os alunos tiveram durante o período das aulas a distância.

É essencial levar em conta todas as especificidades dessa metodologia e o fato de que muitas escolas ainda não reabriram, uma vez que essa decisão depende muito da realidade local sobre a covid-19.

Por isso, neste artigo, falaremos sobre a avaliação da aprendizagem dos alunos em um sistema de ensino remoto, com exemplos para colocar em prática na sua escola. Acompanhe:

A avaliação de aprendizagem no ensino remoto precisa ser mais do que um diagnóstico pontual
Metodologia formativa: a avaliação contínua dos alunos pode revelar mais do que notas
Ferramentas tecnológicas podem ser grandes aliadas no processo de avaliação escolar
O potencial do Portal do Aluno na avaliação do ensino remoto
Avaliação do desenvolvimento e atividades de reforço
Aprendizados do ensino remoto durante a pandemia

A avaliação de aprendizagem no ensino remoto precisa ser mais do que um diagnóstico pontual

A avaliação de aprendizagem no ensino remoto precisa ser mais do que um diagnóstico pontual

No modelo tradicional e presencial de ensino, estamos acostumados com avaliações pontuais sobre o quanto do conteúdo visto em sala de aula foi aprendido pelo aluno. 

Esse estilo de exame já vinha sendo questionado por diversos especialistas em educação nos últimos tempos devido a alguns aspectos que são facilmente percebidos durante o processo de aplicação. 

O ato de “colar” é um deles, que obriga os professores a redobrarem sua atenção enquanto os alunos realizam a prova. Outro ponto é a famosa “decoreba”, isto é, os estudantes decoram o conteúdo apenas para a avaliação, em vez de realmente aprendê-lo.

Tudo isso já demandava uma revisão desses processos, além do desenvolvimento e da implementação de um plano de avaliação escolar.

Agora, essa revisão é ainda mais importante, a fim de aplicar uma avaliação que faça sentido depois de mais de um ano de ensino remoto. E esse não é apenas um desafio para o professor, também é uma responsabilidade da gestão escolar.

Leia mais: Os desafios dos professores após um ano de ensino remoto.

Nesse contexto, “colas” e “decorebas” não devem ser uma preocupação, levando em conta que durante as aulas a distância o aluno tem acesso total à internet, que é uma grande fonte de conteúdo. Seguindo essa lógica, as avaliações devem ser desenvolvidas levando isso em consideração.

Felizmente, o emprego da tecnologia no processo pedagógico, especialmente no ensino remoto, traz muitas vantagens para isso.

Um exemplo, é a possibilidade de criação de atividades e avaliações adequadas ao ambiente online, assim como a organização de arquivos sobre os alunos e suas notas. Tudo isso é possível em ferramentas como o Portal do Aluno, do sistema de gestão escolar Sponte

Muitos gestores escolares e coordenadores pedagógicos estão mudando seu olhar sobre as formas de avaliar o desempenho do aluno, buscando maneiras de se fazer isso a partir do histórico de cada estudante durante o período letivo.

Quando se analisa a situação de cada estudante, a partir desse ponto de vista, tem-se em mãos evidências do seu progresso ao longo do tempo. Essa metodologia já é utilizada em diversas escolas, sendo aplicada especialmente na educação infantil e nos primeiros anos do ensino fundamental, sob o nome de “portfólio”. 

Como nessas etapas as crianças ainda são muito novas para realizarem exames escritos, coletar seu histórico é uma saída interessante para observar seu progresso.

Leia mais: A importância de avaliar os alunos da Educação Infantil e 4 maneiras de implementar essa prática.

Essa estratégia também é válida para o ensino fundamental e médio, principalmente quando suas avaliações são todas digitais. Em vez de algumas poucas provas escritas e pontuais, com perguntas que eles podem pesquisar online, torna-se uma ideia excelente avaliá-los de forma mais ampla.

Para isso, contudo, recomenda-se que, durante a execução de projetos, trabalhos, pesquisas e apresentações orais, os professores observem e avaliem mais do que o conteúdo. Deve entrar em pauta, também, o desenvolvimento do aluno e sua capacidade de buscar, sintetizar e expor ideias e conhecimentos.

Fica claro, então, a necessidade — e a possibilidade — de se avaliar o aluno ao longo de todo o processo, e não somente considerar o resultado final, que seria o cumulativo do bimestre ou semestre.

Metodologia formativa: a avaliação contínua dos alunos pode revelar mais do que notas

A metodologia de avaliação formativa se baseia no uso de diferentes atividades com os alunos para analisar seu desempenho em relação ao conteúdo aprendido e ao desenvolvimento das competências básicas do período. 

Seminários, trabalhos em grupo, testes, projetos interdisciplinares e autoavaliação são alguns instrumentos que podem ser utilizados nesse processo de análise.

Isso porque, com esse método de “avaliação contínua”, todas as atividades podem ser utilizadas como parâmetro para verificar como está o desenvolvimento do aluno em termos cognitivos e socioemocionais.

Leia mais: A importância de desenvolver as habilidades socioemocionais dos alunos.

Para tanto, é fundamental que haja uma coleta de dados qualitativos e quantitativos sobre os alunos. Isso significa atribuição de notas a exames, trabalhos e atividades avaliativas, mas também acompanhar de perto o rendimento e a participação durante as aulas, projetos em grupo e apresentações de trabalho.

Assim, o professor conseguirá perceber se o aluno está desenvolvendo as habilidades esperadas, como a capacidade de se comunicar plenamente e desenvolver pensamento crítico e criativo, além de adquirir repertório cultural e informativo ao longo do processo.

Vale ressaltar que as principais habilidades que devem ser adquiridas pelos estudantes constam na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) como as 10 Competências Gerais. Ou seja, são fundamentais para o bom desenvolvimento de todos os alunos.

Vantagens do Sistema Sponte para produtividade na gestão escolar

Ferramentas tecnológicas podem ser grandes aliadas no processo de avaliação escolar

Certamente, avaliar os alunos, de forma tão integral e profunda, requer muito tempo e energia por parte do corpo docente, que também possui diversas outras responsabilidades. Assim, ferramentas que sirvam ao propósito de contribuir e enriquecer o processo pedagógico são muito bem-vindas.

A ideia de Learning Analytics, por exemplo, é uma dessas possibilidades. Seu funcionamento é muito pautado na metodologia de avaliação contínua, em que uma série de dados referentes ao processo de aprendizagem é utilizada para gerar análises e relatórios sobre o desempenho individual dos estudantes.

Esses dados envolvem notas, avaliações dos professores, frequência, participação em sala de aula, entre outros. Com essas informações em mãos, os professores podem ter uma visualização muito mais precisa do desenvolvimento de seus alunos.

Esses dados utilizados como base da análise devem ser disponibilizados aos professores dentro dos ambientes virtuais de aprendizagem: o que mostra a importância de ter uma sala de aula online integrada ao seu sistema de gestão escolar.

Conheça a sala de aula online do Sponte.

A aplicação desse método na educação básica é muito recente. Contudo, ele já vem sendo usado no ensino superior há alguns anos, especialmente nos cursos ministrados em regime EAD. 

O fato é que o Learning Analytics é um aliado no processo de avaliação do ensino remoto. Isso principalmente por auxiliar os professores a perceberem eventuais lacunas no processo de aprendizado dos alunos, baseando-se no desempenho deles nas atividades propostas durante a aula. 

Assim, os educadores têm a oportunidade de agirem de forma assertiva em cima dos conteúdos que precisam ser reforçados.

O potencial do Portal do Aluno na avaliação do ensino remoto

Outra ferramenta que é de grande ajuda no processo avaliativo é o Portal do Aluno, principalmente se associado ao Learning Analytics, pois nele ficam contidos todos os dados referentes à trajetória do aluno ao longo do período escolar, incluindo notas e atividades.

O Portal do Aluno do Sponte, por exemplo, é um espaço de troca para professores, coordenadores, alunos, pais e responsáveis. Além de registrar notas e frequência durante as aulas, é possível submeter atividades para os estudantes de forma online

Conheça o Portal do Aluno do Sponte.

A comunicação entre a equipe pedagógica e os pais e responsáveis também é facilitada, pois o espaço para envio de avisos e recados é uma funcionalidade já integrada à ferramenta.

Portanto, o Portal não pode ser desconsiderado como um aliado na missão de avaliar os alunos durante o ensino remoto, principalmente por representar um vínculo entre escola e família.

Leia mais: A comunicação entre pais e escola: o que a tecnologia tem a nos ensinar?

Avaliação do desenvolvimento e atividades de reforço

Com as dificuldades de adaptação ao ensino remoto, há casos de turmas que se sentiram prejudicadas durante a pandemia, e professores que já afirmaram que não foi possível ver todo o conteúdo programado para 2020.

Assim, tornou-se necessário um ajuste no calendário de 2021 para sanar essas necessidades.

Leia mais: Reposição de aulas e reforço no pós-pandemia: como fica?

Pensando nisso, é interessante o uso de parâmetros para averiguar em que ponto o aluno “parou”. Isto é, até onde ele conseguiu acompanhar o conteúdo dentro das condições que ele tinha.

Uma ideia é a aplicação de questionários sobre os conteúdos não só da série cursada, mas também das anteriores. As questões precisam vir em um movimento crescente de profundidade e complexidade para avaliar justamente até onde o aluno acompanhou.

A partir daí, o corpo pedagógico precisa agir fazendo uso de aulas especiais e atividades de reforço, monitorias, oficinas e reuniões, para sanar as lacunas que foram identificadas com os alunos durante o processo de avaliação.

Aprendizados do ensino remoto durante a pandemia

Esta época de atividades remotas e escolas fechadas tem sido repleta de desafios para os professores, coordenadores e gestores escolares. E ainda estamos em um período de muita apreensão, incerteza e desgaste físico, mental e emocional.

Leia mais: As mudanças da pandemia na coordenação e direção de escola.

Obviamente que a preocupação em relação ao conteúdo, tanto pela escola quanto pelas famílias dos alunos, seria um tópico relevante dentro de todo esse contexto. Afinal, toda essa movimentação era justamente para que os alunos conseguissem prosseguir com seus estudos e serem afetados o mínimo possível. 

Nenhuma instituição de ensino atingiu a perfeição. Mesmo as que tiveram um bom desempenho durante essa jornada sentiram um impacto na aprendizagem dos alunos. Isso é normal. Mas, mesmo assim, com todos os obstáculos, lacunas e dificuldades enfrentadas por toda a comunidade escolar, não podemos nos esquecer de um detalhe importante.

O uso das tecnologias na educação foi novidade, também, para os alunos. A geração nativa-digital podia estar acostumada aos estímulos do mundo online para o aprendizado, mas não com esse grau de intensidade. 

Portanto, apesar de todas as falhas que porventura tenham ocorrido durante esse período, a escola precisa considerar que o aluno teve a oportunidade de aprender coisas que talvez não tivesse a chance no ensino presencial.

Durante as aulas online, houve um aprendizado maior em competências como: senso de autonomia, organização, autorresponsabilidade, entre muitas outras habilidades proporcionadas pelo ensino remoto.

Por isso, no momento da avaliação, todos os aspectos precisam entrar na balança. Não só os desfavoráveis, mas os favoráveis também, ainda que não ligados diretamente com o conteúdo previsto em cada disciplina, pois eles também serão levados como aprendizado pelos alunos.

Por fim, para ajudar sua escola a ter uma avaliação cada vez mais eficiente e produtiva, preparamos também um eBook sobre o assunto. Confira:

compartilhe:

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on google
Gerente de Produto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *