Conflitos entre alunos: como a escola pode intervir?

Conflitos entre alunos podem transformar o convívio em sala de aula muito ruim, confira algumas dicas de como resolver e não passar por esse problema

Por Sponte em 14 de agosto de 2018.

A sala de aula é um local para aprendizagem e boa convivência, mas é comum a ocorrência de conflitos entre os alunos. Nesses casos, é preciso que a escola faça uma intervenção no problema para saber o que causou o conflito e como solucioná-lo. Existem diversas boas práticas que a escola pode adotar a fim de minimizar esse problema e manter a harmonia entre todos. Confira algumas delas neste artigo!

Pratique a mediação de conflitos

A mediação de conflitos é um recurso que gestores de diversas escolas têm colocado em prática entre seus funcionários, alunos e membros da comunidade. É uma forma de trabalhar o diálogo e criar uma rede de apoio para os alunos que precisarem de suporte para lidar com suas emoções e possíveis problemas.

A escola pode preparar os próprios alunos para serem mediadores, selecionando alguns jovens interessados para estabelecer um grupo de escuta para situações conflituosas. É importante que o grupo de mediadores mantenha a calma e a neutralidade em todas as situações e, se for necessário, seja aconselhado pelo orientador-pedagógico da escola.

Se possível, o gestor e os funcionários devem adaptar um ambiente apenas para a mediação de conflitos, criando um local com a privacidade e o conforto necessários para que a conversa possa acontecer distante dos demais alunos não envolvidos.

Explore as causas do conflito

Em uma discussão entre alunos, o verdadeiro motivo que gerou o conflito pode não aparecer de imediato, fazendo com que a escola não entenda ao certo o que ocorreu. Ao explorar as causas, a escola pode descobrir informações importantes a respeito do aluno, como problemas na família, bullying no ambiente escolar ou se tem dificuldade para lidar com seus próprios sentimentos.

Durante a mediação do conflito, é essencial que o aluno esteja em um ambiente no qual se sinta confortável para explorar suas emoções e dizer como está se sentindo com o ocorrido. É uma maneira também de fazer com que as habilidades socioemocionais sejam trabalhadas por todos os envolvidos, assim como a empatia e as diferenças entre os alunos – algo que pode ser a causa do problema.

Monitore os comportamentos dos alunos

Uma maneira de a escola prevenir futuros conflitos entre os alunos é fazendo o monitoramento das relações e do comportamento dos estudantes. Assim, caso seja detectado algo de incomum como uma pequena discussão ou um aluno com o comportamento anormal, os professores e demais funcionários podem intervir antes que o conflito em si ocorra.

A equipe de mediadores também pode conversar com o aluno a fim de buscar o que o está incomodando, de modo que o monitoramento seja feito com mais proximidade, evitando que os funcionários da escola sejam pegos desprevenidos na ocorrência de uma discussão mais séria.

A escola pode intervir nos conflitos entre os alunos ao possibilitar suporte para que os envolvidos se sintam acolhidos e apoiados para falarem a respeito de seus sentimentos, principalmente, durante a mediação da conversa.

O gestor deve sempre aconselhar seus funcionários a estimularem o diálogo e o respeito entre os estudantes, de modo que o problema em questão seja resolvido sem a utilização de ofensas e atos desrespeitosos. Além disso, é importante que seja recomendado que os alunos envolvidos se coloquem no lugar um dos outros para que entendam o que o conflito gerou em cada um.

Como a sua escola trabalha a resolução de conflitos entre os alunos? Deixe seu comentário nos contando a sua experiência.

Sponte /