5 maneiras de deixar as aulas mais interativas para os alunos

Melhore a gestão pedagógica da sua escola e capte a atenção dos seus alunos através destas 5 práticas capazes de deixar as aulas mais interativas.

Por Cristopher Morais em 31 de março de 2021.

Quem já trabalhou dentro de uma sala de aula sabe como é difícil manter os estudantes concentrados e interessados durante as atividades. Até porque estamos falando com uma nova geração, acostumada a receber estímulos super apelativos o tempo todo.

A melhor forma de se atingir o objetivo de conquistar a atenção dos alunos é tornar as aulas mais interativas. 

Além de reter a concentração dos estudantes para as atividades realizadas em sala, essa técnica pode ajudar alunos que possuem mais dificuldades em determinados assuntos ou que se sentem desmotivados a aprender pelo método tradicional.

Neste artigo, vamos apresentar quais são as principais maneiras de deixar as aulas mais interativas para os alunos, com técnicas como a implementação de metodologias ativas, visitas em museus e lugares externos da escola, vídeos e muito mais.

Acompanhe!

1. Implementar metodologias ativas para aulas mais interativas

2. Faça uso de apresentações divertidas e dinâmicas

3. Utilize vídeos do YouTube para reforçar suas aulas

4. Torne as aulas mais interativas tirando os alunos da sala de aula

5. Incentive a participação dos alunos

6. Bônus: Tenha aulas mais interativas usando as ferramentas certas

1. Implementar metodologias ativas para aulas mais interativas

As metodologias ativas envolvem o conceito de modificar o aprendizado do aluno, deixando as aulas mais interessantes para que os estudantes se sintam abertos para participarem das aulas. Entre os exemplos de metodologias ativas estão a sala de aula invertida, o STEAM e o uso de gamificação. 

Essa proposta tem uma forte ligação com a tecnologia e, por isso, acaba sendo interessante para os alunos, conhecidos como nativos digitais.

Além disso, esse método de ensino é excelente para auxiliar as diferentes necessidades dos estudantes, tornando o acesso ao conhecimento ofertado em sala mais democrático. Isso porque as metodologias ativas são adaptáveis, o que significa que elas podem ser ajustadas conforme a idade dos alunos e o grau de dificuldade.

Na prática, isso possibilita que os estudantes que têm dificuldades de acompanhar as aulas expositivas consigam adquirir o conhecimento necessário de outra forma, garantindo então que a classe toda cumpra com o conteúdo programado.

Portanto, implementar as metodologias ativas é uma importante maneira de acrescentar mais interatividade na sala de aula da sua instituição, pois, com essa prática, os estudantes vão se sentir mais interessados em seu próprio aprendizado. 

Algumas técnicas para a implementação da metodologia ativa são:

Sala de aula invertida:

Na ordem da metodologia tradicional de ensino, os alunos simplesmente chegam à escola sem conhecimento prévio do assunto e seu contato com o conteúdo todo se resume à aula exposta pelo professor, no máximo seguida pela lição de casa. A sala de aula invertida propõe uma alteração nessa ordem.

Nessa técnica, o professor disponibiliza uma prévia da próxima aula e é dever do aluno estudá-la com antecedência. 

Com isso, ao chegar em sala a turma já terá uma noção do assunto que será tratado, solidificando os conhecimentos mais básicos sobre o tema e permitindo que o tempo de aula seja melhor aplicado no desenvolvimento de conceitos mais profundos e até em atividades práticas.

No contexto das instituições de ensino que estão trabalhando com as aulas remotas, essa técnica soma uma vantagem a mais: a otimização do tempo de aula. 

No EAD, as aulas da educação básica tendem a ser mais curtas. Logo, otimizar o tempo de aprendizado do aluno é uma ideia muito bem-vinda para garantir que todo o conteúdo seja trabalhado.

Seguindo a proposta das metodologias ativas, a sala de aula invertida tira, então, o protagonismo do professor e o deposita nos próprios estudantes, que se tornam mais autônomos no seu processo de aprendizado. 

Saiba mais sobre isso no artigo: 4 passos para tornar seu aluno o protagonista do próprio aprendizado. 

Isso não significa que o professor é desnecessário. Na verdade, é muito pelo contrário! O professor assume o papel essencial de orientador, auxiliando o aluno durante sua caminhada.

Atividades lúdicas:

Muito interessante de se usar no ensino infantil e até nos primeiros anos do ensino fundamental, as atividades lúdicas ajudam os alunos a assimilarem o conhecimento por meio de representações e exemplos práticos.

Alguns exemplos são: contação de histórias, teatros, jogos e brincadeiras. 

Com essas atividades, os alunos têm a oportunidade de contextualizar o tema das aulas dentro do seu universo, além de interagir com os colegas, desenvolvendo suas habilidades sociais.

Promoção de debates e rodas de conversa:

Debater e argumentar são habilidades que se esperam que os alunos, sobretudo do ensino médio, desenvolvam. Por isso, pegar um tema e promover uma roda de conversa mediada pelo professor durante a aula é uma ótima ideia. 

Dessa forma, cada aluno pode contribuir com seus próprios conhecimentos, somados ao que foi aprendido com o professor e nos materiais didáticos. 

Ou seja, é uma construção conjunta de conhecimento que beneficiará todos em sala, além permitir a participação de todos os alunos, quebrando a monotonia do que seria uma aula meramente expositiva do professor.

Use a tecnologia a seu favor:

Saiba como trabalhar seu engajamento com comunidade escolar | Sponte

Hoje, não é novidade que muitas pessoas fazem uso da tecnologia, especialmente no ensino híbrido. Essa modalidade permite o uso de ferramentas tecnológicas para potencializar o aprendizado dos alunos, seja em aulas presenciais ou online.  

Geralmente, escolas particulares possuem salas de computação, ou até mesmo laboratórios de ciências ou robótica. Se for o caso, esses ambientes serão de grande ajuda.

O uso de programas de edição, plataformas de pesquisa, até jogos didáticos e todas as atividades que utilizam essas ferramentas em sala são uma forma de aplicar a metodologia ativa de aprendizado no processo pedagógico. 

Todas muito efetivas, principalmente para os jovens nativos digitais. Existem, inclusive, diversos programas desenvolvidos especialmente para fins pedagógicos, úteis para todas as disciplinas escolares. Um exemplo famoso é o GeoGebra, muito utilizado para tornar as aulas de matemática mais práticas.

2. Faça uso de apresentações divertidas e dinâmicas

Seja no ensino presencial ou no online, as apresentações em slides estão tomando conta das aulas. E não é à toa. As apresentações digitais são muito mais apelativas visualmente e permitem o uso de uma série de recursos para tornar as aulas mais dinâmicas.

Com esse crescimento, cada vez surgem mais ferramentas que disponibilizam maneiras diferenciadas e criativas de estruturar apresentações. É recomendável que um professor esteja aberto a elas para criar slides que estimulem a participação dos alunos e que modifique as aulas expositivas para uma aula mais interativa.

Isso pode ser feito com a utilização de imagens que estejam relacionadas com o conteúdo, memes, cores vivas, GIFs e com uma diagramação das informações que fique visualmente agradável.

Algumas das ferramentas mais conhecidas para a elaboração desses materiais são:

Canva: Com ele é possível criar apresentações e infográficos de forma simples e eficiente. A plataforma é intuitiva, permitindo que mesmo profissionais que não sejam designers gráficos consigam criar produtos visualmente agradáveis.

Slides Carnival: Se você só está procurando por templates que deixem seus slides mais bonitos, um dos sites mais famosos voltados para este fim é o Slides Carnival. Lá você encontrará diversos layouts prontos para slides, com os mais variados temas.

As apresentações ainda contam com uma série de elementos gráficos que vêm anexados no modelo original para que o professor consiga montar uma apresentação completa. Para usar os modelos é necessário fazer o download da apresentação original, podendo ser baixada em PowerPoint ou diretamente no Google Slides.

Prezi: O Prezi é uma ferramenta de apresentações que encanta sobretudo pelas suas transições diferenciadas entre uma tela e outra. Diferentes dos slides tradicionais, as telas do Prezi transacionam entre si de forma fluida, contribuindo para a construção de uma ordem progressiva no processo de aprendizado.

Coogle: Outra ferramenta que permite a criação e compartilhamento de diagramas, fluxogramas e gráficos, auxiliando muito o professor na transmissão dos conceitos apresentados em sala.

3. Utilize vídeos do YouTube para reforçar suas aulas

Diversos professores utilizam vídeos para explicar o que estão ensinando em suas aulas. No entanto, é comum que sejam materiais já considerados antigos e nada interessantes para os alunos. Com a utilização de vídeos do YouTube, os alunos vão se identificar e se interessar mais pelo conteúdo, e se dedicar ainda mais para a sua aprendizagem.

Existem diversos canais no YouTube que falam sobre matemática, ciências, redação e temas relacionados à atualidade que podem ser utilizados para complementar o ensino da aula expositiva. 

Além disso, há também o YouTube Edu, em que é possível encontrar videoaulas com conteúdos variados. Portanto, acrescentar os vídeos do YouTube em sua aula possibilita uma maior aproximação entre educadores e estudantes.

Essa plataforma pode ser mais que um reforço para suas aulas e se tornar uma referência. Se sua instituição de ensino trabalha com aulas online, os canais de professores podem ser uma fonte de inspiração e ideias para tornar as aulas remotas mais interessantes.

Afinal, os alunos estão acostumados com a plataforma e principalmente com a linguagem e a forma que as informações são apresentadas. 

Sendo assim, é interessante observar e explorar esses aspectos nos conteúdos de educadores que trabalham criando para o YouTube. Como eles se comunicam? Quais elementos além da fala utilizam para reforçar sua didática?

Para as aulas transmitidas em tempo real, o ponto-chave é fazer uso da linguagem verbal e não-verbal adequadas. 

Para as aulas pré-gravadas, há ainda a vantagem de que elas podem passar por um processo de edição. Ou seja, além da linguagem, pode-se usar elementos gráficos, entre outras coisas, para que os vídeos fiquem mais atrativos para os alunos.

Por exemplo: por que não aliar a técnica da sala de aula invertida a esta, gravando vídeos e deixando-os disponíveis para que os alunos possam utilizá-los como preparo para a aula, seja ela online ou presencial? 

O audiovisual é uma ferramenta poderosa para a comunicação de modo geral, então faça o melhor uso dela!

4. Torne as aulas mais interativas tirando os alunos da sala de aula

Planeje suas férias escolares e gestão educacional | Sponte

Não, você não leu errado. O fato de estar em sala de aula o tempo todo pode ser muito maçante para os alunos, portanto, explore o potencial que há em realizar algumas aulas fora de sala. 

Isso, inclusive, permite que o estudante consiga aplicar o conteúdo no mundo real, ou seja, na sua vida prática, facilitando a fixação do conhecimento. Fazendo isso, o professor transforma uma aula em uma verdadeira experiência que será mais facilmente lembrada.

Em uma cidade existem diversos lugares que podem ser visitados pelas instituições de ensino a fim de que o conteúdo aprendido em sala de aula possa ser visto na prática. Esses lugares podem ser museus, institutos de pesquisa, parques, teatros, entre outros. Conhecer lugares novos, mesmo que com a escola, motiva os alunos e funciona como uma aula interativa.

E caso não seja possível ir a nenhum desses lugares no momento, experimente explorar algum local dentro da própria escola. Uma aula de ciências em um ambiente aberto e arborizado, por exemplo. Ou, então, promover um debate ou uma roda de conversa no pátio. 

Basta usar a criatividade, pois o simples fato de sair de sala, dos moldes mais tradicionais da educação, já chamará a atenção dos alunos, pois estarão vivenciando algo “fora do comum”.

5. Incentive a participação dos alunos

A chave para a interatividade nas aulas é o incentivo da participação dos alunos durante todo o processo. Isso faz com que eles se sintam incluídos e motivados no processo de aprendizagem, além de possibilitar uma aproximação maior entre os professores e os estudantes.

Sabemos que dependendo da faixa etária da turma, chamá-los para participar das aulas pode ser mais ou menos fácil, mas é importante fazer esse esforço mesmo assim. O aluno precisa sair da inércia para que as metodologias de ensino sejam eficazes, e o professor enquanto orientador tem essa missão.

Utilizando a técnica mais adequada, aliada a uma atividade que seja interessante para a turma, essa tarefa se tornará bem mais fácil.

Bônus: Tenha aulas mais interativas usando as ferramentas certas

Para finalizar, uma dica extra: se sua escola usar as ferramentas certas no dia a dia, será muito mais fácil deixar as aulas mais interativas para os alunos. 

Existem muitas opções no mercado. Mas é preciso avaliar a usabilidade dessas plataformas e as metodologias aplicadas pela sua escola. 

Para que você encontre as ferramentas ideais para sua escola, confira uma curadoria feita pelo nosso time de especialistas: 

eBook: 36 Ferramentas para Potencializar suas Aulas

Cristopher Morais / Gerente de Produto

Atualmente é Gerente de Produto, com mais de 10 anos em experiência soluções inteligentes na área da educação, faz parte do time da Sponte há 13 anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *