Emergências de saúde da escola: sua equipe está preparada?

Confira e entenda se sua equipe e escola está preparada para atender as necessidades emergenciais de saúde a qualquer momento

Por Sponte em 12 de julho de 2018.

As crianças e os jovens participam de diversas brincadeiras enquanto estão na escola. Dessa forma, estão propícios a se machucarem ou a sofrerem acidentes, desde ocorrências mais simples, como um pequeno corte, até as mais graves, como quedas de grandes alturas ou convulsões.

A escola, responsável pela saúde, bem estar e segurança dos alunos enquanto estiverem em seu ambiente, precisam ter profissionais preparados para qualquer tipo de emergências de saúde.

Emergências de saúde que podem ocorrer na escola

As crianças menores de um ano podem engolir pequenos objetos ou cair do berço, enquanto que as crianças de idade pré-escolar podem sofrer quedas de escadas, brinquedos do parquinho, etc. Os adolescentes, no entanto, podem fazer brincadeiras agressivas entre si ou sofrer lesões em atividades esportivas.

Por isso, é importante que a equipe de saúde da escola esteja preparada para quaisquer emergências. Veja a seguir quais são as principais medidas que devem ser tomadas para prestar socorro ao aluno.

Medidas de socorro

– Em primeiro lugar, quem for socorrer o aluno precisa garantir a sua própria segurança e a dos demais ao verificar se as condições do ambiente estão estáveis e se não oferecem riscos para outras pessoas.

– Em seguida, é preciso manter a calma para entender os mecanismos do trauma. Isto é, se a lesão é definida como de alteração estrutural ou desequilíbrio fisiológico provocado pela grande exposição a formas de energia como mecânica, térmica, elétrica, química e irradiações. Tais formas de energia são capazes de afetar o corpo superficialmente ou ainda lesar estruturas importantes do organismo.

– Para fazer uma primeira avaliação do estado no qual a vítima se encontra é importante seguir a , sendo: A) estabilizar a coluna cervical manualmente, checar a consciência e abrir as vias aéreas; B) verificar como está a respiração; C) a circulação; D) examinar as disfunções neurológicas; E) verificar a exposição e o controle do ambiente.

– É também importante saber como ocorreu o acidente, a queda, a lesão, etc. Para isso, observe qual o tipo de solo em que aconteceu o acidente, o som causado pela batida ou queda, qual parte do corpo foi a primeira a receber o impacto e quais são as lesões mais visíveis – cortes na pele, sangramento ou inchaços, entre outros.

– O SAMU 192 deve ser chamado apenas em casos de: acidentes com componentes perigosos, afogamentos, maus tratos, queimaduras graves,  , choque elétrico, acidentes ou traumas com vítimas, crises hipertensivas, intoxicação por substâncias químicas, problemas cardiorrespiratórios ou trabalho de parto onde haja risco de morte da mãe ou do feto.

– É recomendável que o gestor da escola providencie um treinamento de primeiros socorros com profissionais da saúde como o núcleo educacional do SAMU, a fim de que toda a sua equipe escolar participe e esteja apta para realizar a avaliação ABCDE e prestar o primeiro atendimento.

A sua escola já disponibilizou treinamento em primeiros socorros para a equipe? Conte para nós a sua experiência nos comentários.

Sponte /